12:40 22 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    1211
    Nos siga no

    Apesar dos recentes revezes no Iraque e na Síria, os terroristas do Daesh está se reorganizando e o foco está voltado “mais do que nunca” em novos atentados contra países europeus e em outras áreas fora do Oriente Médio, informou à Agência AFP um alto oficial da ONU.

    “O Daesh, apesar da pressão militar contínua, ainda resiste, particularmente em Mossul e Raqqa", disse o secretário-geral adjunto da ONU para Assuntos Políticos, Jeffrey Feltman.

    “Ao mesmo tempo, o Daesh reorganizou sua estrutura militar, dando mais poder aos comandantes locais e está mais focado do que nunca em permitir e inspirar ataques fora das zonas de conflito”, complementou.

    Feltman mencionou ainda os recentes ataques na Alemanha, Bélgica, França, Grã-Bretanha, Rússia, Suécia e Turquia e pediu o aumento dos esforços internos entre os entes europeus, associado à colaboração com outras nações – particularmente o G5 do Saara, formado por Burkina Faso, Chade, Mali, Mauritania e Níger.

    O Daesh diminuiu o número de mensagens nas redes sociais nos últimos 16 meses, mas “a ameaça persiste e apoiadores fora da Síria e do Iraque coletam e redistribuem essa propaganda”, disse o secretário da ONU.

    As fontes de receita do grupo terrorista seguem as mesmas: venda de petróleo, extorsão, sequestros, tráfico de antiguidades, e exploração de mineração nos territórios que controlam.

    “Novamente, no terrorismo não há lugar para desunião. Portanto, não podemos imaginar que o conselho [de Segurança da ONU] não apoie o nosso esboço”, concluiu Feltman.

    Mais:

    Força Aérea Síria ataca Daesh no oeste de Raqqa
    Síria diz que ataques da coalizão liderada pelos EUA fortalecem Daesh
    Como Daesh ganha dinheiro?
    Tags:
    atentado, segurança, guerra, diplomacia, combate ao terrorismo, terrorismo islâmico, terrorismo, Conselho de Segurança da ONU, ONU, Jeffrey Feltman, Iraque, Síria, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar