09:26 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Mais de 6.000 imigrantes foram resgatados no dia 3 de outubro na costa da Líbia, no mar Mediterrâneo

    Xenofobia: Militantes arrecadam dinheiro para sabotar salvamentos de refugiados na Europa

    © AFP 2019 / Aris Messinis
    Europa
    URL curta
    874
    Nos siga no

    Reportagem desta semana do jornal britânico The Observer revelou que militantes da extrema-direita europeia estão em campanha para arrecadar fundos, os quais serão direcionados para missões de sabotagem contra barcos de refugiados que se dirijam à Europa.

    Membros de um movimento anti-islâmico e anti-imigração intitulado ‘Identitarian’ teriam arrecadado mais de US$ 65 mil em menos de três semanas, com o objetivo de atacar barcos humanitários que estejam resgatando refugiados no mar Mediterrâneo.

    No mês passado, um grupo de extrema-direita francês apoiou uma ação contra uma embarcação humanitária na região italiana da Sicília. Várias pessoas acabaram presas pela Guarda Costeira da Itália, que atuou em favor dos refugiados.

    Segundo a ONU, 1.650 refugiados morreram em 2017 na tentativa de chegar à Europa. Mais de 6 mil pessoas já foram salvas em missões humanitárias de resgate no Mediterrâneo, de acordo com a mesma entidade, e pouco mais de 71 mil conseguiram entrar na Europa.

    Entidades que atuam no salvamento de refugiados não esconderam a sua revolta. Ao diário britânico, um oficial que pediu para não ser identificado colocou a culpa nos políticos europeus, que ajudaram a criar o clima para que os seus militantes tomassem tal atitude.

    Mais:

    Refugiado que tirou selfie com Merkel apresenta demanda contra Facebook por difamação
    Paris: passaporte encontrado em local de ataque pertencia a refugiado
    Brasileiro usa legenda de “refugiado da Ucrânia” para ser futebolista no Reino Unido
    Tags:
    xenofobia, política, extrema-direita, humanidade, crise migratória, crise de imigrantes, refugiados, ONU, Mediterrâneo, Itália, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar