18:55 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Londres, Reino Unido

    Candidata ao parlamento britânico chama o Islã de 'tumor canceroso'

    © Foto: Pixabay
    Europa
    URL curta
    856325

    Caroline Santos, candidata ao parlamento britânico pelo Partido da Independência do Reino Unido, chamou a religião islâmica de “doença cancerosa", mas depois teve que explicar a sua posição, informa o jornal The Independent.

    "Quando é que o Estado aprenderá a escutar a gente que está sofrendo por causa do Islão, que cresce como uma doença cancerosa?", escreveu Santos no seu Twitter.

    O tweet foi a resposta a uma das réplicas na discussão de Tommy Robinson, fundador do movimento juvenil Liga da Defesa Inglesa", o qual, segundo Caroline Santos, "o Estado declarou seu inimigo". A organização fundada por Robinson é contra a islamização do país.

    Posteriormente, Caroline Santos explicou ao jornal que se referia só ao Islã radical. Ao mesmo tempo ela notou que em "algumas partes da Inglaterra e da Escócia tem problemas com o Islã ". Ao mesmo tempo ela não concorda com o apelo do seu partido de proibir totalmente as burcas no país.

    Como escreve o The Independent, apesar de os membros do Partido da Independência sempre falarem sobre a inadmissibilidade de "incitar o ódio", a organização tem estado no centro de vários escândalos. Na semana passada, o partido foi criticado por que um dos candidatos ao parlamento chamou o Islão de "má religião".

    As eleições antecipadas na Grã-Bretanha são agendadas ao dia 8 de junho. Theresa May explicou que a sua decisão de dissolver o parlamento e realizar eleições antecipadas foi tomada na tentativa de unir a sociedade britânica antes das negociações sobre o Brexit. O Partido Conservador, liderado por Theresa May, é considerado como favorito na corrida eleitoral.

    Mais:

    Recrutas do Daesh não sabem muito sobre o Islã
    Papa: não é justo associar Islã ao terrorismo
    Tags:
    eleições parlamentares, islã, Theresa May, Reino Unido, Londres
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik