05:15 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    0 02
    Nos siga no

    Emmanuel Macron, candidato presidencial independente francês, durante os debates de terça-feira, acusou sua rival, a candidata de extrema direita Marine Le Pen, de oferecer "guerra econômica".

    Abordando as propostas de Le Pen para que a França abandone a zona do euro e diminua a migração, Macron disse que Marine Le Pen basicamente ofereceu uma "guerra econômica".

    "O nacionalismo é guerra… Você está trazendo, desculpe dizer, as mentiras que ouvimos há quarenta anos, e nós as ouvimos de seu pai", disse Macron.

    Macron falava nos debates que reuniram os 11 candidatos presidenciais franceses, televisionados pela emissora da BFMTV.

    O primeiro turno das eleições presidenciais francesas acontecerá no dia 23 de abril, enquanto o segundo entre os dois principais candidatos está agendado para 7 de maio.

    O partido da Frente Nacional (FN), estabelecido em 1972, adere aos valores do nacionalismo, política anti-imigração, medidas protecionistas na economia e se opõe ao multiculturalismo. A FN tem sido associada ao nome de seu ex-líder Jean-Marie Le Pen conhecido por declarações polêmicas sobre as câmaras de gás nazistas e considerado xenófobo.

    Em 2011, Jean-Marie foi sucedido por sua filha Marine, que iniciou uma campanha para se livrar do legado controverso de seu pai.

    Marine Le Pen também fez uma série de declarações que foram criticadas por vários poderes políticos na França, como a necessidade de introduzir novos impostos sobre os contratos com trabalhadores estrangeiros e sucessivas declarações contra a "invasão" cultural sofrida pelo país através de imigrantes.

    Mais:

    Rival de Le Pen constrói sua campanha com base em 'acusações falsas contra Sputnik'
    Parlamento Europeu priva Marine Le Pen de imunidade diplomática
    Amigo de Le Pen é investigado em escândalo de calote
    Tags:
    Frente Nacional, Emmanuel Macron, Marine Le Pen, Jean-Marie Le Pen, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar