11:13 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Escalada da tensão militar na Ucrânia (32)
    1206
    Nos siga no

    Primeiro, o presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, viaja para Berlim. Em seguida, se agrava o conflito em Donbass – dezenas das pessoas morrem de ambos os lados.

    Neste contexto, o deputado do Bundestag pelo partido A Esquerda, Andrej Hunko, partilha suas considerações sobre qual poderá ter sido o tema da conversa entre Poroshenko e a chanceler alemã, Angela Merkel.

    "No princípio eu tentava adivinhar de que tratou o encontro de Pyotr Poroshenko com a chanceler Angela Merkel, mas depois, lendo as notícias sobre agravamento da situação no leste da Ucrânia, prestei atenção à proximidade temporânea entre esses dois eventos", declarou o deputado em entrevista à Sputnik Alemanha.

    Hunko sugere que se tratou principalmente da manutenção das sanções antirrussas e garantir o apoio a Kiev por parte das autoridades alemãs — pois agora ainda não é claro qual será o rumo da política dos EUA em relação ao conflito em Donbass.

    "Isso leva a uma forte suspeita de que, provavelmente, existe um interesse na escalada da situação", aponta o político.

    Andrej Hunko sublinha que a atitude em relação a esse assunto por parte da mídia alemã varia significativamente: "Por exemplo, uma expressão notável da atitude antirrussa é a descrição dos eventos pelo jornal Bild. Mas se falarmos de Stefan Braun, no seu artigo publicado no jornal Sueddeutsche Zeitung ele apresenta a suposição, citando representantes dos círculos governamentais da Alemanha, que ‘em grande medida a parte ucraniana também tem culpa' e que os militares ucranianos podem ter tentado mudar a situação na frente a seu favor. No entanto, essa expressão bastante é crítica e rara para a mídia alemã."

    Se os EUA cancelarem as sanções antirrussas apesar da escalada em Donbass, seria desejável, segundo disse o político alemão, que a UE faça o mesmo.

    "Contudo, já há muito tempo que podemos ouvir vozes, desde logo após a vitória de Donald Trump nas eleições, declarando que a UE deve continuar uma política antirrussa, mesmo que sozinha", acrescentou.

    Se essas vozes serão ouvidas, isso é uma boa questão. Segundo ele opina, o número dessas vozes, que são a favor da política atual e do apoio unilateral ao governo ucraniano, poderá aumentar no futuro.

    "Isso significa que a UE tem sua própria política de confrontação em relação ao Oriente e que ela parece estar disposta a mantê-la", concluiu.

    No fim do dia de 31 de janeiro, o chefe da autoproclamada República Popular de Donetsk, Aleksandr Zakharchenko, declarou que em um trecho de 50 quilômetros da linha de demarcação em Donbass foram travados combates entre a milícia popular e o exército ucraniano. Segundo as palavras dele, a parte ucraniana, que conduzia uma ofensiva em direção a Donetsk e Makeevka, sofreu muitas baixas.

    O vice-ministro da Defesa da Ucrânia Igor Pavlovsky reconheceu de fato anteriormente que o Exército ucraniano está realizando uma ofensiva em Donbass. "Neste momento, os nossos combatentes avançam, metro a metro, passo a passo", disse ele se referindo à situação em Avdeevka.

    Porém, o vice-ministro não falou sobre o cumprimento dos acordos de Minsk, em particular, sobre a retirada das armas pesadas da linha de contato.

    Tema:
    Escalada da tensão militar na Ucrânia (32)

    Mais:

    Poroshenko anuncia referendo sobre a adesão da Ucrânia à OTAN
    Donetsk está sendo bombardeada pelas Forças Armadas da Ucrânia
    Escalada bélica: CS da ONU exige retorno imediato do cessar-fogo no leste da Ucrânia
    Ucrânia e OTAN realizarão primeiros exercícios navais conjuntos em 2017
    Rússia: Leste da Ucrânia está à beira de catástrofe humanitária
    Tags:
    sanções econômicas, política externa, conflito armado, encontro, cessar-fogo, Acordos de Minsk, UE, Bundestag, Conselho de Segurança da ONU, Andrej Hunko, Donald Trump, Aleksandr Zakharchenko, Pyotr Poroshenko, Angela Merkel, República Popular de Donetsk, Donbass, Alemanha, EUA, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar