12:30 19 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Caminhão com inscrição Wikileaks

    WikiLeaks contra presidenciáveis franceses: quem é 'agente do Kremlin' afinal?

    © flickr.com / Steve Rhodes
    Europa
    URL curta
    242

    No dia 1º de fevereiro, o site WikiLeaks fez lembrar que guarda em seus arquivos de acesso aberto milhares de documentos relacionados aos presidenciáveis franceses François Fillon, Marine Le Pen e Emmanuel Macron – envolvidos em escândalos.

    Já François Fillon está à beira de sair da política. Anteriormente, o candidato foi acusado pela mídia de empregar ilegalmente a sua esposa e dois filhos como assessores parlamentares. Marine Le Pen, alegadamente, pagou 300 mil euros para sua conselheira do partido Frente Nacional, funcionária do Parlamento Europeu. Finalmente, o terceiro candidato, Emmanuel Macron, supostamente, usou dinheiro do ministério para financiar o lançamento da sua campanha.

    Neste contexto, o WikiLeaks sugeriu que interessados buscassem novos fatos nos 1.138 documentos relacionados à Marine Le Pen e nos 3.630 sobre François Fillon.

    Vale lembrar que representantes da campanha eleitoral de Hillary Clinton e dos serviços especiais dos EUA acusaram o WikiLeaks de trabalhar a favor da Rússia.

    Acusações semelhantes foram apresentadas contra Fillon e Le Pen. Na versão dos conspiradores, o assim chamado "agente do Kremlin" ataca os outros dois.

    Já que a primeira postagem era dirigida contra Fillon, alguns usuários do Twitter concluíram que o "WikiLeaks pró-russo" estivesse tentando afundá-lo para trazer ao poder o "novo regime França da Vichy" – Marine Le Pen.

    "Como entendo, Fillon não é em sua totalidade pró-Putin para o WikiLeaks", escreveu um internauta no Twitter.

    Depois de descobrir que Fillon e Le Pen estão sendo atacados, o WikiLeaks publicou um novo tweet sobre Emmanuel Macron. A postagem condiz com os serviços prestados pelo candidato ao banco Rotschild (em referência à característica que lhe foi dada pela campanha de Hillary Clinton ainda em 2012).

    E, outra vez, há quem desconfiasse que uma "mão do Kremlin" dirigia-se contra Macron.

    Por sua vez, o ministro da Defesa francês, Jean-Yves le Drian, e seus colegas levam a sério a ameaça de ciberataques que visam manipular os resultados das eleições.

    Em particular, a revista norte-americana Foreign Policy receia a interferência no processo eleitoral na França.

    Cabe reconhecer que os materiais do WikiLeaks, que podem influenciar a campanha de qualquer um dos candidatos franceses, já foram minuciosamente analisados. Embora seja difícil falar sobre eventuais revelações, é possível compreender a atitude em relação aos políticos franceses por parte dos seus colegas estrangeiros.

    Além de Fillon, seria interessante ler algo sobre Le Pen.

    Em correspondência com o chefe da campanha de Hillary Clinton, John Podesta, que se refere a 2016, é possível distinguir uma comparação bem original:

    "A família Le Pen é parente próximo de Trump, embora seja muito mais educada."

    Há mais uma observação curiosa. Um dos funcionários da empresa Stratfor deu um comentário ao outro a respeito da proposta de Le Pen de juntar uma parte da Bélgica à França. O segundo responde:

    "Sim, mas deixe os flamengos ficarem com os árabes, de acordo?"

    Quanto a Macron, o candidato é mencionado apenas em 30 documentos, mas chega a ser figurado como um "agente russo". Numa nota do Partido da Justiça e Desenvolvimento turco em poder, há uma menção sobre sua visita a Moscou, na qualidade do chefe de uma delegação francesa, onde ele anunciou o possível cancelamento das sanções contra a Rússia. 

    De acordo com as enquetes, é muito provável que Marine Le Pen ganhe o primeiro turno das eleições de 23 de abril, mas perca no segundo turno, que será realizado em 7 de maio, cedendo a presidência ao conservador François Fillon ou ao centrista Emmanuel Macron.

    Mais:

    Candidata à presidência da França considera legítima reunificação da Crimeia com Rússia
    Trump e Fillon poderiam ter impedido a crise síria
    Tags:
    tweet, acusações, agentes, campanha eleitoral, revelação, escândalo, Kremlin, Parlamento Europeu, Stratfor, WikiLeaks, Emmanuel Macron, John Podesta, François Fillon, Donald Trump, Marine Le Pen, Hillary Clinton, Bélgica, Moscou, EUA, França, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik