20:15 21 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    O protesto contra as políticas de Angela Merkel em Berlim

    Ativistas alemães criaram no Google Maps o mapa de crimes cometidos por migrantes

    © Sputnik/ Nikolai Filyakov
    Europa
    URL curta
    431

    Um grupo de ativistas alemães criou no Google Maps um mapa interativo de todos os crimes supostamente cometidos por migrantes, relata a Sputnik Internacional.

    Os ativistas usam para o projeto dados da polícia e relatos da mídia. O mapa mostra os casos de violência sexual, roubo, assassinato e outros crimes — um total de cerca de 10.000 incidentes neste ano. Esta plataforma mostra a cidade em que ocorreu o incidente, mas não indica a sua localização exata, diz o artigo.

    Um policial patrulha dentro da estação de RER de Auber em Paris, França, em 30 de dezembro de 2015, um alerta de segurança continua durante a temporada de Natal e Ano Novo após os ataques de tiros de novembro na capital francesa.
    © REUTERS/ Charles Platiau
    Além disso, os ativistas criaram o mapa interativo dos campos de refugiados na Alemanha. A comparação dos dois mapas, diz o material, mostra a relação entre a existência de centros de recepção de refugiados e o número, nomeadamente, de crimes sexuais perto deles. Assim, quanto maior for a distância até aos pontos de alojamento de refugiados — tanto menor é o número de crimes.

    Como contaram os ativistas à agência, eles criaram este mapa porque a mídia alemã está silenciosa e fornece informações sobre os crimes de maneira muito seletiva, não mostrando toda a imagem do desastre. O principal objetivo do grupo que promoveu a iniciativa é informar os alemães sobre os perigos da política migratória da chanceler Angela Merkel.

    "Queremos informar as pessoas, dizer-lhes como Merkel está mudando a Alemanha, mostrar que as mulheres estão em risco em toda a Alemanha, não só em Colônia. Mas [em perigo] estão não só as mulheres, mas também os idosos e as crianças", cita a Sputnik Internacional os ativistas.

    Sputnik Alemanha pediu um comentário à polícia para saber o que eles pensam sobre a iniciativa:

    "O criador do mapa reúne todos os incidentes e crimes que estão relacionados com os refugiados ou estrangeiros, e associa-os à localização de abrigos para migrantes. O serviço de Google Maps fornece a quem o quiser a opção de marcar sua localização, bem como os locais dos crimes. As mensagens sobre esses crimes são extraídas de jornais locais e portais de notícias. À primeira vista, há realmente uma conexão: lá, onde estão os refugiados, são cometidos os crimes. Ainda se tem de esclarecer como é que tudo isso pode ser transferido para a realidade das estatísticas criminais. Para começar, a polícia alemã sublinha que aqui nós estamos falando de um projeto privado, do qual até agora não há informação detalhada. Quem está por trás deste projeto, também se desconhece. Esta informação é difundida em blogs privados e plataformas on-line."

    Anteriormente foi relatado que em Freiburg prenderam um migrante afegão de 17 anos. Ele é suspeito de estupro e assassinato da filha de um alto funcionário da Comissão Europeia, Clemens Ladenburger. Maria Ladenburger estudava na universidade para ser médica, em seus tempos livres trabalhava como voluntária em um campo de refugiados.

    A Europa está vivendo a segunda mais forte crise migratória desde a Segunda Guerra Mundial. Em 2015, apenas à Alemanha chegaram mais de um milhão imigrantes da África do Norte e do Oriente Médio.

    Mais:

    Países africanos resistem à importação de combustíveis sujos da Europa
    Extrema-direita é derrotada na Áustria: 'Golpe contra o populismo na Europa'
    'Crise de identidade leva a Europa a fazer acusações graves e infundadas à Rússia'
    Índia libera US$ 300 milhões para refugiados paquistaneses
    Tags:
    migrantes, chanceler, campo de refugiados, perigo, violação, violência, crime, assassinato, UE, Google, União Europeia, Angela Merkel, Afeganistão, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik