04:38 17 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    18523
    Nos siga no

    Os caças da OTAN que estão em missão de patrulhamento aéreo nos países bálticos levantaram voo na semana passada para escoltar um avião russo no espaço aéreo internacional sobre o mar Báltico, declarou o Ministério da Defesa da Lituânia.

    “Em 24 de outubro, caças da Força Aérea da OTAN identificaram e escoltaram um avião russo An-24 no espaço aéreo internacional sobre o mar Báltico. O avião realizava um voo da parte continental com destino à região de Kaliningrado”, diz-se no comunicado do Ministério da Defesa.

    Segundo o ministério, a aeronave voava de acordo com o plano de voo previamente apresentado, mantinha a ligação com os serviços terrestes de controle aéreo e tinha os transponders ligados.

    Na Lituânia, o patrulhamento aéreo é realizado por quatro caças franceses Mirage 2000 desde setembro. Na base de Estônia a missão é efetuada por caças alemães Eurofighter Typhoon. Os países bálticos não possuem aviões capazes de patrulhar o espaço aéreo.  Por isso, desde abril de 2004 (depois da sua adesão à OTAN) os países da Aliança Atlântica protegem o espaço aéreo destes países em regime rotativo. A sua base localiza-se na Lituânia, no aeródromo de Zoknyai, a cinco quilômetros de Siauliai e também na base aérea de Amari, que desde 2014 é uma base adicional para estacionamento de aviões da OTAN.

    O Ministério russo da Defesa afirma reiteradamente que todos os voos da Força Aeroespacial da Rússia são realizados rigorosamente de acordo com as regras internacionais de utilização de espaço aéreo em águas neutrais, não violando as fronteiras de outros países.

    Mais:

    Caças poloneses chegam à Estônia para exercícios da OTAN
    Caças da OTAN simulam combates aéreos na Estônia
    Caças russos usam navios da OTAN no Mar Negro para praticar cenários de ataque
    Tags:
    caças, aviões, base aérea, OTAN, Ministério da Defesa, Kaliningrado, Mar Báltico, Lituânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar