06:16 18 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Local da queda do MH17 derrubado na Ucrânia.

    Ucrânia encaminha inquérito à queda de MH17 pela pista errada

    © Sputnik/ Aleksei Kudenko
    Europa
    URL curta
    Relatório final? (12)
    507

    O representante oficial do Ministério da Defesa da Rússia Igor Konashenkov declarou, durante uma entrevista coletiva, que a Ucrânia encaminhou o inquérito à queda do Boeing MH17 pela pista errada.

    "Hoje, sendo membro da equipe de investigação conjunta, a Ucrânia tenta claramente evitar o fornecimento de dados e manipula a investigação, que segue um caminho errado. Desde dados contraditórios sobre as submunições, até à definição incorreta do tipo de míssil e, consequentemente, do lugar de onde ele foi lançado", disse Konashenkov.

    Konashenkov lembrou que Kiev ainda não divulgou nenhuma informação sobre a localização de seus sistemas Buk no dia do desastre do MH17, bem como não divulgou as comunicações dos controladores aéreos.

    Toda a informação sobre a situação do desastre de MH17 revelada pelo consórcio Almaz-Antey será transferida para o grupo holandês que realiza o inquérito, garantiu Konashenkov.

    O Boeing 777 de voo MH17, de Amsterdã para Kuala Lumpur, caiu no dia 17 de julho de 2014 na região de Donetsk, na Ucrânia, em circunstâncias ainda não esclarecidas, matando todos os passageiros e tripulantes a bordo — 298 pessoas.

    A investigação da tragédia está sendo realizada por uma equipe de investigação conjunta dos Países Baixos, Austrália, Ucrânia, Bélgica e Malásia. A equipe reúne especialistas na área de metais e cores, sistemas de armas, bem como em explosivos e balística.

    Tema:
    Relatório final? (12)

    Mais:

    AntiBellingcat: investigação do abatimento de MH17 continua
    Dois anos depois de MH17: foi um acaso ou ação planejada?
    Donetsk: investigação objetiva sobre MH17 vai provar culpa de Kiev
    Tags:
    inquérito, avião abatido, MH17, Buk, Almaz-Antey, Bellingcat, Rússia, Kuala Lumpur, Amsterdã, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik