Deputado Jair Bolsonaro

Mapeamento da violência eleitoral no Brasil revela ações de apoiadores de Bolsonaro

© flickr.com/ Senado Federal
Eleições 2018
URL curta
14125

Grupos ativistas liberais e um coletivo de advogados de direitos humanos estão mapeando assassinatos por motivos políticos e outros ataques no Brasil, culpando as declarações incendiárias do presidenciável de direita Jair Bolsonaro (PSL) pela violência.

O sociólogo e editor Haroldo Ceravolo identificou 120 ataques, incluindo 4 assassinatos, em seu mapa de violência política desde o início de outubro. Os casos incluem vandalismo político, como vários relatos de suásticas pintados em prédios.

O mapeamento "mostra uma situação muito ruim, um repertório muito grande de atos violentos, seja simbólico ou real, físico, ocorrendo em todo o país e relacionado ao discurso do ódio de Bolsonaro", disse ele à Agência AFP.

Líder das pesquisas de intenção de voto desde que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi considerado inelegível, em setembro, Bolsonaro é o favorito para ganhar as eleições presidenciais de 28 de outubro.

Advogados de direitos humanos em São Paulo lançaram um site na sexta-feira, no qual as vítimas podem denunciar ataques e receber apoio legal e psicológico.

"Podemos levar esses casos para fóruns internacionais, especialmente a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, que já expressou preocupação com o que está acontecendo no Brasil", disse Renan Quinalha, professor de direito e ex-funcionário da comissão de inquérito estadual sobre a ditadura militar.

Enquanto isso, o grupo de liberdade de informação Open Knowledge entrou com informações sobre cerca de 60 ataques contra pessoas em um banco de dados chamado Vítimas da Intolerância.

A esmagadora maioria aponta para os culpados que explicitamente ligam seu apoio a Bolsonaro aos seus atos.

Ambos os bancos de dados usam relatórios de mídia como sua principal fonte e não verificam os casos de forma independente. Mas eles dizem que os resultados indicam uma tendência preocupante na sociedade.

"Nós não estamos vivendo a festa da democracia, como os brasileiros gostam de dizer. Estamos vivendo quase barbárie", disse Eduardo Cuducos, que dirige o banco de dados Vítimas da Intolerância.

As últimas pesquisas sugerem que Bolsonaro tem 59% de apoio eleitoral, contra 41% de seu rival esquerdista Fernando Haddad.

O país sentiria os efeitos além da votação, afirmou o advogado de direitos humanos Quinalha.

"Isso é algo que tende a continuar, uma polarização que está acontecendo no Brasil hoje com extrema violência e não terminará depois de 28 de outubro, porque essa cultura de violência, de violência naturalizada que prevalece deixará raízes muito profundas", acrescentou.

Mais:

Anistia Internacional pede investigação imparcial de possíveis crimes de ódio no Brasil
Relatos sobre agressões por motivação política crescem nas redes sociais
Bolsonaro não vai participar de nenhum debate com Haddad, diz presidente do PSL
Tags:
intolerância, crimes de ódio, política, violência eleitoral, violência, Eleições 2018, Vítimas da Intolerância, Open Knowledge, Eduardo Cuducos, Renan Quinalha, Luiz Inácio Lula da Silva, Haroldo Ceravolo, Fernando Haddad, Jair Bolsonaro, Brasil
Padrões da comunidadeDiscussão
Comentar no FacebookComentar na Sputnik