20:52 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    Brasil enfrenta COVID-19 no fim de outubro (38)
    0 150
    Nos siga no

    O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu, por unanimidade, nesta quarta-feira (28) manter a taxa básica de juros da economia brasileira em 2% ao ano.

    Em nota, o Copom afirma que o temor de uma segunda onda em países da Europa e nos EUA geram incertezas sobre a retomada da atividade econômica mundial.

    "No cenário externo, a forte retomada em alguns setores produtivos parece sofrer alguma desaceleração, em parte devida à ressurgência da pandemia em algumas das principais economias. Há bastante incerteza sobre a evolução desse cenário, frente a uma possível redução dos estímulos governamentais e à própria evolução da COVID-19", escreveu.

    As estimativas do Copom sobre a inflação brasileira são de 3,1% para 2020, 3,1% para 2021 e 3,3% para 2022.

    "Esse cenário supõe trajetória de juros que encerra 2020 em 2% ao ano e se eleva até 2,75% em 2021 e 4,5% em 2022", projetou o comitê.

    A Selic foi fixada em 2% ao ano na reunião de agosto, assumindo o menor patamar da série histórica. Em 16 de setembro o Copom já havia decidido pela manutenção dos dois pontos percentuais.

    Tema:
    Brasil enfrenta COVID-19 no fim de outubro (38)

    Mais:

    Economista: 2021 não deve ser confortável para economia brasileira
    Apesar de previsões ruins, crise na economia brasileira não vai ser tão dramática, diz especialista
    Retomada da economia no Brasil só será possível com reformas, avalia especialista
    Alta demanda da China alavancou setor agropecuário do Brasil, avalia economista
    Bloco econômico liderado por China e Rússia faz jogada para se afastar do dólar e do euro
    Tags:
    COVID-19, Banco Central do Brasil, Banco Central, taxa básica de juros, Copom, Selic, economia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar