05:41 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    0 171
    Nos siga no

    Segundo analistas da Total, o mundo optará por fontes de energia que respeitem mais o meio ambiente, em particular o gás natural.

    O grupo petroleiro francês Total se juntou a outros do setor prevendo que o pico para a indústria petroleira será alcançado na próxima década, afirmando que o crescimento da demanda terá fim em 2030, segundo a agência Bloomberg.

    Enquanto as análises da gigante francesa são mais conservadoras do que as da British Petroleum, que no início deste mês alertou que o crescimento da demanda por petróleo já teria chegado ao seu fim, a Total se junta à fileira de executivos e investidores prevendo uma rápida mudança para a indústria.

    A demanda por energia cresceu em todos os cenários do relatório Energy Outlook da Total, publicado na terça-feira (29), porém, muitos dos ganhos foram alcançados por fontes de energia com baixas emissões de carbono.

    A eletricidade vai representar entre 30% e 40% da demanda energética em 2050, acima dos atuais 20%, prevê a petroleira.

    Usina de Energia Eólica (UEE) em Icaraí, no Ceará (CE).
    © Foto / Divulgação/Ari Versiani/PAC/Agência Brasil
    Usina de Energia Eólica (UEE) em Icaraí, no Ceará (CE).

    O cenário se mostra mais positivo para o outro principal produto da empresa, o gás natural, que deve ocupar um papel fundamental no mercado de energia ao longo das próximas décadas.

    Total e outras empresas europeias do setor estão orientando investimentos em fontes de energia sustentáveis, como energia solar e eólica, tecnologias de bateria e redes de carregamento para veículos.

    Mais:

    Embaixada dos EUA na Líbia afirma estar 'encorajada' pela retomada das exportações de petróleo
    Irã permite que AIEA acesse 2 instalações de energia atômica
    Produção de petróleo e de gás natural no Brasil registra queda em fevereiro
    Tags:
    energia, Total, petróleo, gás natural, economia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar