18:55 16 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    Brasil lutando com COVID-19 no início de setembro (45)
    121
    Nos siga no

    A crise do novo coronavírus provocou impacto negativo nas atividades de 37,5% das três milhões de empresas em funcionamento no Brasil na segunda quinzena de julho, em comparação com a primeira quinzena.

    O levantamento foi divulgado nesta quarta-feira (2) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    Segundo o estudo, 37,5% das empresas informaram que a pandemia afetou negativamente suas atividades, enquanto para 36,3% o efeito foi pequeno ou inexistente e para 26,1% o efeito foi positivo.

    As empresas do setor de serviços foram as que mais sentiram impactos negativos (42,9%). No setor industrial 35,8% informaram impacto pequeno ou inexistente, 33,6% efeito positivo e para 30,6% o impacto foi negativo.

    Os resultados fazem parte da quarta rodada da Pesquisa Pulso Empresa e refletem as percepções das empresas em funcionamento ao final da segunda quinzena de julho, comparadas à primeira quinzena de julho.

    A região em que as empresas mais sentiram o efeitos negativos foi o Nordeste (49,6%) seguido pelo Centro-Oeste (44,7%), Sul (36,7%), Sudeste (33,3%) e Norte (29,4%).

    Tema:
    Brasil lutando com COVID-19 no início de setembro (45)

    Mais:

    Agronegócio aumentará ainda mais participação no PIB do Brasil pós-pandemia, diz economista
    Pandemia pode gerar oportunidade para acelerar automação da indústria no Brasil, diz economista
    Melhora da economia brasileira será vista nos próximos trimestres com reabertura, diz especialista
    Brasil: governo volta atrás após incluir COVID-19 em lista de doenças de trabalho
    Espero que a gente veja empresas olhando para o Brasil como um mercado investidor, almeja economista
    Tags:
    impacto, empresas, economia, Brasil, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar