04:36 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    770
    Nos siga no

    Em abril, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, afirmou que a organização enfrenta uma crise devido ao não pagamento de contribuições por alguns países.

    O represente da missão chinesa na ONU, Yao Shaojun, criticou os EUA por serem os "maiores devedores" da organização, e afirmou que Washington possui dívidas de US$ 1,6 bilhão (R$ 9,3 bilhões) e 1,3 bilhão (R$ 7,6 bilhões) para o orçamento geral e missões de paz da ONU, respectivamente.

    Yao se referia aos pagamentos em atraso dos EUA nesta semana, falando em um encontro do comitê orçamentário da Assembleia Geral da ONU, onde especificamente salientou a importância de que todos os membros da organização internacional cumpram suas obrigações financeiras.

    "Ao enfrentar grandes pressões econômicas e fiscais devido à propagação da COVID-19, a China, segundo maior contribuinte para o orçamento geral e o de missões de paz da ONU, conseguiu pagar todas as contribuições devidas em sua totalidade. Isto demonstra o apoio concreto da China para a causa da ONU e o trabalho do secretário-geral", salientou o emissário chinês.

    Stéphane Dujarric, porta-voz da ONU, alertou para os US$ 1,62 bilhões (R$ 9,5 bilhões) não entregues ao orçamento geral da organização, além dos US$ 2,12 bilhões (R$ 12,4 bilhões) para missões de paz. No entanto, recusou esclarecer as alegadas dívidas norte-americanas.

    Os pronunciamentos se seguem a uma carta de Guterres, informando os 193 países em abril que "pagamentos imprevisíveis, agravados pela crise global originada pela pandemia do coronavírus", ameaçam seriamente a capacidade da ONU de operar. O secretário-geral convocou todos os Estados a pagarem os valores devidos, além de anunciar um congelamento temporário de novas contratações.

    Aumento de tensões entre EUA e China

    As acusações ocorrem em meio ao aumento de tensões entre Washington e Pequim, à medida que os EUA ameaçam a China com sanções ou imposição de tarifas devido à alegada má administração da crise do coronavírus.

    Bandeiras da China e dos EUA ondulando perto da área de Bund, antes de a delegação comercial norte-americana se encontrar com seus homólogos chineses para conversações em Xangai, China, em 30 de julho de 2019
    © REUTERS / Aly Song
    Bandeiras da China e dos EUA ondulando em Xangai, China

    O presidente norte-americano Donald Trump tem acusado repetidamente a China de encobrir a escala da pandemia do coronavírus desde o começo de sua proliferação em dezembro. O mandatário não excluiu que os Estados Unidos possam cortar inteiramente as relações diplomáticas com o gigante asiático.

    Pequim nega as acusações de Washington de que a COVID-19 teria tido origem em um laboratório em Wuhan, convocando os EUA a "cuidarem de suas questões internas primeiramente" e relembrando que o "o inimigo é o vírus, não a China".

    Mais:

    Em meio a tensões com a China, Índia adquire dezenas de helicópteros dos EUA
    Pandemia do coronavírus faz disparar vendas de bunkers nos EUA
    'Imoral': China reage a projeto de senadores dos EUA que pregam sanções pela COVID-19
    Tags:
    dívida, economia, COVID-19, novo coronavírus, António Guterres, EUA, China, orçamento, ONU
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar