05:39 26 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    8243
    Nos siga no

    Os preços do barril de petróleo caíram vertiginosamente devido às ações dos países do golfo Pérsico, declarou o vice-primeiro-ministro russo Andei Belousov.

    "A Rússia jamais pretendeu baixar os preço do petróleo, esta é uma iniciativa exclusiva de nossos parceiros árabes", disse ao canal Rossiya 1.

    Belousov reiterou que, durante as negociações dos países integrantes do pacto OPEP+, "a ideia básica era manter o acordo por mais um ano, pelo menos por um trimestre".

    Segundo o vice-primeiro-ministro, mesmo as empresas petrolíferas russas que "estavam interessadas nos mercados" eram a favor da prorrogação do acordo OPEP+.

    "Mas os parceiros árabes atuaram de outra maneira", constatou.

    Em 6 de março, a Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e dez produtores independentes, entre eles a Rússia, colocaram fim às limitações de produção de petróleo a partir de 1 de abril ao não chegarem a um consenso sobre a prorrogação da iniciativa que estava vigente desde o começo de 2017.

    Enquanto a OPEP buscava uma maior redução na produção para mitigar o impacto da pandemia do coronavírus, a Rússia e outros produtores independentes defendiam a manutenção do acordo anterior.

    Segundo alguns meios, a Arábia Saudita busca expulsar o petróleo russo dos principais mercados ao oferecer o seu por um preço mais competitivo. Ao mesmo tempo, o reino anunciou um aumento das exportações de petróleo desde abril em 12,3 milhões de barris diários a mais que sua produção atual.

    O pacto OPEP+ segue vigente até 31 de março, mas, devido à redução da demanda de petróleo provocada pela pandemia do coronavírus, o preço do barril de petróleo Brent caiu drasticamente.

    Mais:

    Preços do petróleo podem cair abaixo de zero, avisa investidor da Wall Street
    Medidas de emergência de Trump poderiam levar à queda do mercado global e petróleo?
    Preços de petróleo voltariam a subir quando coronavírus for derrotado, diz especialista chinês
    Tags:
    Arábia Saudita, economia, Rússia, petróleo, OPEP
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar