15:38 19 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    4200
    Nos siga no

    As sanções norte-americanas e a agressividade da Casa Branca, disposta a causar danos a seus aliados para favorecer seus próprios interesses pode causar um "motim" mundial.

    Ultimamente, os EUA buscam satisfazer seus próprios interesses comerciais e ideológicos, e devido a isso surgem propostas de uma união frente às medidas punitivas impostas pelos norte-americanos.

    Os países participantes da cúpula de Kuala Lumpur 2019, sendo eles Turquia, Qatar, Malásia e Irã, pretendem criar um sistema de pagamentos "dourado", invulnerável às sanções dos EUA.

    "Dado que o mundo está testemunhando que algumas nações tomam decisões unilaterais para impor medidas punitivas, a Malásia e outras nações devem sempre levar em conta que podem ser impostas contra qualquer um de nós", afirmou o primeiro-ministro da Malásia, Mahathir Mohamad, se referindo à pressão da Casa Branca.

    Assim, os países mencionaram quatro opções para rechaçar o dólar no comércio, sendo elas o ouro, as operações de permuta, a utilização de moedas nacionais e as criptomoedas.

    Permuta

    É pouco provável que a Turquia, a Malásia, o Qatar ou o Irã se beneficiem das operações de permuta, conforme disse o jornalista da Sputnik, Ivan Danilov, que considera a medida como um regresso à Idade da Pedra.

    Esse tipo de operação é adequado apenas para grandes transações comerciais, para negociar grandes volumes de mercadorias entre duas grandes empresas.

    Dólar (imagem referencial)
    © CC0 / Pixabay
    Dólar (imagem referencial)

    Apesar de volumosas, estas operações possuem uma grande vantagem, que é a impossibilidade de detê-las através de sanções financeiras, podendo ser bloqueadas apenas pela força militar.

    Moedas nacionais

    A utilização das moedas nacionais mencionada pelo presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, é um tipo de operação mais moderno e melhor adaptado para o comércio internacional, contudo, ele possui diversos problemas sérios, ressalta Danilov.

    Danilov explica que um desses problemas seria o sistema SWIFT. Os EUA podem pressionar o sistema de transferências bancárias internacionais para que desconecte os bancos dos países envolvidos.

    Cédulas de euro, libra e dólar
    © CC0 / Pixabay
    Cédulas de euro, libra e dólar

    Para superar esse obstáculo, seria necessário criar um sistema próprio ou atrair para o desenvolvimento de um "sistema financeiro desdolarizado" algum parceiro externo que tenha um análogo.

    Outro problema é que o câmbio das moedas nacionais pode mudar rapidamente e de maneira imprevisível, o que dificulta as exportações.

    Criptomoedas

    A criptomoeda possui um valor vinculado ao preço do ouro ou de um pacote de diversas moedas nacionais, porém, o sistema corre o risco de ser atacado por hackers ou de desativação massiva da internet como parte das sanções.

    Ouro

    O ouro não tem qualquer problema de volatilidade do tipo cambial. O ouro pode simplesmente substituir o dólar como ferramenta de avaliação universal.

    Apesar de enfrentar o problema dos hackers, as barras de ouro podem ser transportadas fisicamente para pagar bens e serviços, além disso, o ouro é um instrumento financeiro universal.

    O número de países que sofrem ações punitivas dos EUA é cada vez maior. Dessa forma, logo haverá países suficientes dispostos a se tornarem independentes do dólar para construir um sistema financeiro alternativo global, segundo Danilov.

    Mais:

    OPEP prevê fim da 'idade de ouro' na produção do petróleo de xisto nos EUA, aponta Bloomberg
    Cotação do ouro encara provável panorama de desvalorização, segundo analistas
    Tesouro é dourado: Rússia 'larga' ativos em dólares e produz mais 11% de ouro
    Tags:
    criptomoedas, criptomoeda, moedas, moeda, ouro, Dólar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar