08:25 24 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    351
    Nos siga no

    Uma pesquisa, realizada com 500 investidores, demonstra o receio de que uma crise econômica se materialize novamente em um horizonte de cinco anos. No entanto, alguns destes investidores observam que ela pode chegar até mesmo antes.

    Esta é a questão que inquieta os analistas: uma nova grande crise financeira está prestes a afetar a economia mundial? E se sim, então quando? Opiniões e alertas divergentes surgem quase diariamente.

    Steve Eisman, renomado analista financeiro que antecipou a crise de 2008, pensa que vivemos um contexto bem diferente. Segundo ele, "o endividamento das instituições financeiras é muito menos notável nos Estados Unidos e Europa" que entre 2007 e 2008, e "os bancos são mais regulados". Eisman afirma em entrevista à Sputnik França que nada de grave se aproxima.

    A pesquisa da Natixis Investment Managers, corretora de ações baseada em Boston, foi realizada, conforme divulgado pela publicação Capital, "junto a 500 investidores institucionais de fundos de pensão de empresas, de fundações e fundos de dotação, fundos de pensão públicos [...], de companhias de seguros e fundos soberanos na Ásia, Europa, América do norte, América Latina e Oriente Médio".

    A partir desta pesquisa é possível traçar algumas avaliações sobre o estado da economia mundial, que apontam um cenário desafiador.

    Medo da volatilidade toma mercados

    Ao menos 89% dos investidores estão preocupados quanto aos futuros efeitos do alto nível da dívida pública sobre a economia mundial. Mais de 80% consideram que uma crise financeira internacional ocorrerá nos próximos cinco anos. Para 58% dos interrogados, ela ocorrerá em três anos.

    "A volatilidade, a persistência de um ambiente com taxas de juros historicamente baixas e as tensões políticas são consideradas pelos investidores institucionais como grandes preocupações para 2020", destaca Capital.

    A interferência política continua a preocupar os investidores. Para 69% deles, as ingerências estrangeiras nas eleições nacionais são um problema alarmante. As eleições americanas de 2020 são alvo de especulações. Para 64% dos interrogados, a escolha de um novo líder norte-americano será uma fonte de volatilidade para os mercados.

    A política de juros muito baixos, aplicada por vários bancos centrais, também figura como fonte de apreensão. Como nota a publicação Capital, o crescimento do crédito, os problemas de liquidez e o risco de deflação fazem igualmente parte desses receios.

    Mais:

    Guerra comercial poderia desencadear crise financeira global, avisa financista
    Crescimento de 0,6% no PIB faz Bolsonaro cravar: 'estamos no caminho certo'
    Goldman Sachs registra fenômeno alarmante nos mercados financeiros norte-americanos
    Tags:
    endividamento, mercado, crise financeira
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar