20:37 14 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Dragão Vermelho, o símbolo da China

    Consultor de negócios: se o século XX foi dos EUA, o XXI 'será chinês'

    © AFP 2019 / TED ALJIBE
    Economia
    URL curta
    7210
    Nos siga no

    Políticos norte-americanos são "pessoas muito ignorantes" que estão "afundando" o país, e que "não têm nem ideia do que são criptomoedas nem com que nos depararemos no futuro", opina Gerald Celente, do portal Trends Research.

    Se o século XX foi dos EUA, o XXI "será chinês", opinou o consultor de negócios Gerald Celente, do Trends Research, durante entrevista concedida ao programa Keiser Report do canal RT.

    O analista e editor do portal, que no passado previu com exatidão vários eventos geopolíticos e econômicos, explicou que, enquanto "o principal comércio da China são os negócios, o principal comércio dos EUA é a guerra; e com guerra não se lucra, com exceção dos mais privilegiados".

    Como exemplo, o especialista citou a iniciativa da Rota da Seda que, somando aos seus 1,4 bilhão de habitantes, dará a possibilidade para que a China "controle grande parte das finanças globais, algo que já faz, mas incrementará", presume.

    'O mundo está cansado do domínio da moeda norte-americana'

    Enquanto isso, Washington "segue ancorado no século XX", destaca Celente, que qualifica os políticos norte-americanos como "pessoas muito ignorantes" que estão "afundando" os EUA, e que "não têm nem ideia do que são criptomoedas nem com que nos depararemos no futuro", opina Gerald Celente, do portal Trends Research.

    No entanto, a China já anunciou que considera utilizar mais o euro, empregando-o como divisa de reserva no lugar do dólar, "o que demonstra que todo o mundo está farto de que a moeda norte-americana seja a dominante a nível internacional", enfatiza o especialista, que apoia a ideia de que guerras comerciais conduzem a guerras de divisas que, por sua vez, poderiam desencadear um conflito armado.
    Yuan e dólar (imagem referecial)
    © REUTERS / Jason Lee
    Yuan e dólar (imagem referecial)

    Ao recordar o exemplo da libra esterlina, que era a divisa dominante no início do século XX, mas que "começou a cair pouco a pouco e que, quando queríamos nos dar conta, já havia despencado", o consultor adverte que "o mesmo poderia ocorrer com dólar", ainda mais se a dívida seguir aumentando, "se continuarem emitindo moeda e diminuindo os interesses para desvalorizar a divisa norte-americana".

    Mais:

    EUA estão atrás de Rússia e China em desenvolvimento de inteligência artificial, diz relatório
    Macron isola os EUA? China e França fecham acordo de US$ 15 bi e aproximam posições
    Secretário de Estado dos EUA ataca China: 'Diferenças fundamentais entre nossos sistemas'
    Tags:
    China, EUA, Euro, Dólar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar