05:15 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Yuan chinês

    China não vai desvalorizar yuan para dar um basta à guerra comercial com EUA

    © Sputnik / Aleksandr Demyanchuk
    Economia
    URL curta
    4150
    Nos siga no

    A China não pretende desvalorizar sua moeda para resolver guerra comercial com os Estados Unidos, declarou nesta quinta-feira (4) o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang.

    Comentando as recentes declarações do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre a alegada "grande manipulação de moeda" de Pequim, Geng Shuang afirmou em um briefing que "como um país grande e responsável, a China não está desvalorizando [sua moeda] para melhorar sua competitividade, e não vamos usar isso como uma ferramenta para enfrentar as tensões comerciais".

    O porta-voz também ressaltou que o Departamento do Tesouro dos EUA não pôs há anos a China na lista de países que manipulam as taxas de câmbio.

    Anteriormente, Trump escreveu no Twitter que a China e a Europa estavam manipulando suas moedas e "bombeando dinheiro" em suas economias para competir com sucesso com os EUA.

    Guerra comercial

    Os EUA e a China têm tentado superar desacordos que surgiram com a decisão de Trump em junho passado de impor tarifas de 25% sobre US$ 50 bilhões em bens chineses em uma tentativa de corrigir o déficit comercial. Desde então, os dois lados trocaram várias rodadas de tarifas.

    Em maio, os EUA intensificaram a guerra comercial impondo tarifa de 25% sobre outros US$ 200 bilhões em produtos chineses. A China, por sua vez, se comprometeu a retaliar, aumentando as tarifas sobre US$ 60 bilhões em importações dos EUA em junho.

    Mais:

    Economistas dizem que yuan chinês está pronto para ser 'peso-pesado' global
    Analista: China não permitirá que yuan se desvalorize em relação ao dólar
    Enterrando o dólar: Rússia reforça reservas nacionais com ações em yuan, euro e iene
    Tags:
    EUA, guerra comercial, desvalorização, yuan, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar