02:26 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Bolsa de valores de Xangai.

    À espera de nova crise: ameaças que poderiam abalar economia global

    © AFP 2019 / Greg Baker
    Economia
    URL curta
    290

    A economia mundial ainda não acabou de resolver todos os problemas causados pela grande crise financeira de 2008, mas o aumento da dívida global e as vulnerabilidades econômicas estão empurrando o mundo para um novo colapso financeiro, adverte o economista russo Vladimir Mau.

    Em 2018, a economia mundial cresceu a um ritmo moderado de 3,7% e a fase de crescimento já dura dez anos. Entretanto, os especialistas avisam sobre a instabilidade desse crescimento e já preveem que uma nova crise venha a abalar em breve a economia global porque o crescimento não pode ser interminável.

    Em seu artigo para o portal Forbes, o proeminente economista russo Vladimir Mau sublinhou que a crise global de 2008 foi causada pelo nível sem precedentes da dívida global – que continua crescendo, tendo superado os 200 trilhões de dólares em 2018 (mais de R$ 800 trilhões). Além disso, se observa uma fraca atividade de investimento, estagnação da renda da classe média e a deflação nas economias desenvolvidas.

    Entre os problemas que a economia global enfrenta o analista refere ainda a política monetária. Entre todos os bancos centrais dos países desenvolvidos, apenas o Fed americano conseguiu sair da zona das taxas de juro superbaixas, enquanto os reguladores financeiros da zona euro, do Reino Unido e do Japão continuam insistindo na política monetária expansionista, receando provocar uma recessão.

    No entanto, isto priva-os do instrumento mais importante para contrariar a próxima crise - a possibilidade de flexibilização monetária. Os bancos centrais dos países desenvolvidos não têm espaço para a flexibilização monetária, enquanto a flexibilização fiscal também será extremamente difícil devido à enorme e crescente dívida pública.

    Mais um ponto fraco da economia global é a perda de confianças nas instituições governamentais. As sanções, que se tornaram um elemento integrante da política global, desempenham um papel importante nesse processo: as medidas restritivas podem ser introduzidas contra qualquer país, empresa ou pessoa, o que apenas contribui para volatilidade e incerteza.

    Em meio a essa situação, a economia global dá indícios de possíveis mudanças fundamentais. Segundo Mau, com o desenvolvimento das tecnologias de informação, as criptomoedas vão desempenhar um papel cada vez mais importante no sistema de finanças globais. Por exemplo, vários bancos centrais já manifestaram seu interesse em desenvolver projetos baseadas na tecnologia blockchain. Embora o desenvolvimento pleno do mercado de criptomoedas ainda possa vir a levar vários anos, esse setor é muito promissor, sublinha o analista.

    Anteriormente, os analistas já avisaram que a economia mundial pode não resistir à dívida de mais de 200 trilhões de dólares e que a próxima crise poderia ser pior do que a de 2008. No final do ano passado, os economistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) apontaram a insustentável dívida global como a principal ameaça para a economia mundial.

    Na edição de abril do relatório Perspectivas da Economia Mundial, o FMI prevê um abrandamento do crescimento global em 2019 para 3,3% em comparação com os 3,5% esperados em janeiro deste ano. Os economistas do fundo sublinham que, embora se espere alguma retomada do crescimento no segundo semestre, em geral 70% da economia mundial deve desacelerar neste ano.

    Mais:

    Será que nova crise financeira global começará em Pequim?
    Comércio mundial caminha para uma 'crise profunda' graças aos EUA, diz UE
    Tags:
    crise, finanças, economia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar