05:54 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Bolsa de valores de Nova York (foto de arquivo)

    Como Trump derruba mercado de valores estadunidense

    © AP Photo/ Richard Drew
    Economia
    URL curta
    281

    A moratória de 90 dias na introdução de tarifas sobre produtos importados da China deu aos investidores uma esperança que Washington abandonasse sua política agressiva. Entretanto, segundo a colunista da Sputnik, Natalia Dembinskaya, as últimas declarações de Trump puseram fim a essas esperanças, provocando quedas nos mercados de valores dos EUA.

    Nos últimos meses as bolsas norte-americanas sofreram uma série de quedas graves. No fim do novembro a situação se estabilizou e as bolsas de valores até fecharam no verde graças à moratória de 90 dias na introdução das tarifas sobre produtos importados da China, acordada entre Washington e Pequim, bem como às perspectivas de uma trégua na guerra comercial.

    Os investidores viram um raio de esperança que em vez da agressão sem sentido Washington fosse realizar uma política econômica razoável.

    Euforia curta

    Entretanto, a euforia nos mercados de ações dos EUA não durou sequer dois dias. Os mercados fecharam em baixa despois do presidente dos EUA, Donald Trump, ter publicado seu tweet ameaçando o acordo com a China.

    "Sou o Homem das Tarifas. Quando pessoas ou países chegam para fazer um assalto à grande riqueza da nossa nação, quero que paguem pelo privilégio de fazê-lo. Isso sempre será a melhor maneira de fortalecer nosso poder econômico. Agora estamos recebendo bilhões de dólares em tarifas. Façam a América rica novamente!", escreveu ele na sua conta no Twitter.

    Os empresários norte-americanos não apreciaram seu senso de humor. O aumento de tarifas sobre produtos chineses levou ao aumento dos custos de produção para as empresas norte-americanas, explicou Dembinskaya.

    Em 4 de dezembro o índice Dow Jones Industrial perdeu 799,36 pontos, o índice S&P 500 mostrou uma queda de 3,1%, enquanto o Nasdaq recuou 3,8%.

    Na "zona vermelha" se encontraram a maioria das ações, especialmente as do setor de alta tecnologia. Por exemplo, as ações da Amazon caíram 6%, enquanto as capitalizações da Google, Netflix e Apple sofreram uma queda de cerca de 5%.

    À beira de recessão

    Segundo os analistas do banco de investimento Goldman Sachs, essas quedas nas bolsas terão consequências que se tornarão evidentes já no início do próximo ano. Até o segundo trimestre de 2019, devido à vulnerabilidade nos mercados, a economia dos EUA perderá 0,75% do PIB.

    Entretanto, os investidores têm outros motivos de preocupação sobre o futuro da economia norte-americana além do conflito comercial entre os EUA e Pequim.

    Por exemplo, pela primeira vez desde 2007 apareceu uma reversão na curva de rendimento dos títulos do Tesouro dos EUA: o rendimento dos valores mais curtos superou as taxas dos mais longos. Essa reversão precedeu cada uma das nove recessões dos EUA desde 1955.

    Mais:

    Impérios contra-atacam: Rússia, Índia e China abandonam o dólar
    Tags:
    colapso, bolsa, tarifas, Donald Trump, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik