18:35 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    BC registra lucro

    IBGE: PIB do estado de Roraima foi o único que cresceu em 2016

    Marcos Santos/USP Imagens
    Economia
    URL curta
    210

    A economia brasileira encolheu 3,3% em 2016. Todas as unidades da federação apresentaram a mesma dinâmica e apenas Roraima, com 0,2%, teve alta no Produto Interno Bruto (PIB).

    A informação foi divulgada nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na pesquisa de Contas Regionais de 2016.

    Segundo o IBGE, os resultados de Roraima e do Distrito Federal, que teve estabilidade do PIB em 2016, podem ser explicados pelo peso do setor governamental, que cresceu 3,3% e 0,6%, respectivamente.

    A pesquisa mostra que a retração econômica que o país enfrentou naquele ano foi mais acentuada no Amazonas, onde o PIB caiu 6,8%, no Piauí e em Mato Grosso, ambos com queda de 6,3%.

    Principal fatia do PIB, a participação paulista na economia brasileira cresceu em meio à crise. Em 2015 e 2016, anos de recessão, o PIB de São Paulo passou a responder por 32,5% da economia brasileira, crescendo 0,5 ponto percentual em relação a 2014. Nos anos anteriores, o estado vinha perdendo sua participação no PIB total, que chegou a ser de 34,9% em 2002.

    As outras 15 unidades da federação tiveram quedas mais acentuadas do que a média nacional. No grupo, está o Rio de Janeiro, segundo maior PIB do Brasil, com uma queda de 4,4% em apenas um ano. 

    O Rio responde por 10,2% da economia nacional, enquanto Minas contribui com 8,7% do PIB, e Rio Grande do Sul e Paraná somam 6,5% e 6,4%, respectivamente. 

    Mais:

    Comércio ilegal de cigarros toma mercado no Brasil
    Mais de 38 mil mortes violentas aconteceram no Brasil nos nove primeiros meses do ano
    O Brasil tem poder de fogo para proteger a riqueza da Amazônia Azul? (FOTO, VÍDEO)
    Água: o que o Brasil tem a aprender sobre reúso?
    Diplomacia 'imprudente' de Bolsonaro pode custar caro ao Brasil, diz cientista político
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik