23:52 17 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Tesouro dos EUA

    Por que China reduz seus investimentos em títulos da dívida pública norte-americana?

    CC BY 2.0 / Kurtis Garbutt / US Treasury
    Economia
    URL curta
    6150

    A China realizou uma venda massiva de seus títulos do Tesouro dos EUA no valor de 7,7 bilhões de dólares (R$ 32 bilhões), mas continua sendo o líder na lista dos principais credores dos EUA. Os especialistas sublinham que esse passo de Pequim foi provocado pela guerra comercial desencadeada por Washington.

    Os títulos do Tesouro dos EUA são considerados como os ativos mais confiáveis no mercado financeiro mundial. Sua venda permite ao governo estadunidense aumentar seu déficit orçamentário. A política externa agressiva do presidente Donald Trump fez com que os que tradicionalmente compravam dívida dos EUA começassem a livrar-se dela em 2018.

    "No último ano o líder dos EUA declarou retiradamente que, enquanto todo o mundo depender dos EUA, eles continuarão praticando a política externa que quiserem", advertiu Maria Salnikova, analista da empresa financeira russa Expert Plus citada pelo portal russo Gazeta.ru.

    A China entendeu a mensagem e a decisão de reduzir seus investimentos em dívida dos EUA é consequência da guerra de tarifas que começou no início do ano e em que ambos os países estão envolvidos. O presidente norte-americano, sendo fiel à sua política de "América primeiro", decidiu lutar com todos os países que, em sua opinião, saíram ganhando nas relações comerciais os EUA. As vítimas já são várias: o Canadá, a União Europeia, os países do Sudeste Asiático, a Rússia, mas sobretudo a China. Segundo Trump, Pequim não negocia com Washington de boa fé e obriga as empresas norte-americanas que operam no país a transferir sua tecnologia.

    Foi por isso que Donald Trump decidiu implementar uma política de tarifas desde o início do ano e anunciou que planeja continuar a seguir a mesma linha.

    "Se a China adotar medidas de resposta contra os nossos fazendeiros, ou contra qualquer outro setor de nossa indústria, passaremos rapidamente para a terceira etapa, que inclui tarifas sobre as importações chinesas no valor de 267 bilhões de dólares", declarou o presidente dos EUA.

    A China já prometeu que vai responder aos EUA e até elaborou uma lista de produtos norte-americanos que serão taxados. Pequim e Washington estão tentando lidar com a situação dialogando, mas até agora todas as tentativas de reduzir as tensões levaram a mais protecionismo.

    Perante esse cenário, a redução pela China da compra de dívida pública norte-americana também pode ser considerada como um argumento em futuras negociações.

    "O volume total de investimentos de países estrangeiros nos títulos do Tesouro dos EUA é superior a seis trilhões de dólares, por isso a venda de 7,7 bilhões da sua dívida pela China é apenas algo de simbólico com que os EUA são convidados a negociar a já dolorosa guerra comercial e de tarifas contra os produtos chineses", explicou Aleksei Antonov da corretora russa Alor Broker.

    Assim, a redução do volume que os países investem na dívida dos EUA será inútil se outros países não se unirem aos passos dados por Pequim. Como reconhecem os especialistas, eles dificilmente conseguirão se livrar da dívida americana que compraram.

    Mais:

    Rússia se livra de metade de seus títulos de dívida pública do Tesouro dos EUA
    Rússia aposta em yuan: Moscou planeja emitir títulos públicos em moeda chinesa
    Títulos dos BRICS: primeiro em iuanes e depois…
    Tags:
    guerra comercial, dívida, títulos, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik