18:00 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Campo de soja na região de Khabarovsk

    Pequim e Washington continuam em guerra comercial, mas é Moscou quem pode ganhar

    © Sputnik / Igor Onuchin
    Economia
    URL curta
    3200

    A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China representa uma excelente oportunidade para que a Rússia se torne novo fornecedor de soja para o mercado chinês, afirma o secretário-geral da Associação Chinesa para o Desenvolvimento de Empresas no Exterior (CODA, na sigla em inglês), economista He Zhenwei.

    Segundo disse à Sputnik no âmbito do Fórum Econômico Oriental, a soja russa é de muito boa qualidade. Porém, em termos de fornecimentos, a Rússia ainda tem uma participação baixa no mercado chinês.
    O gigante asiático é o maior consumidor de soja no mundo. Pequim a utiliza como matéria-prima para produzir diversos produtos alimentares, como óleo e outros, enquanto a soja de menor qualidade serve para alimentar o gado. A China importa dos EUA mais de 30 milhões de toneladas de soja, quase dois terços da produção total anual norte-americana.

    No entanto, recentemente Pequim teve que introduzir sanções contra os produtos de soja estadunidenses em resposta às tarifas introduzidas por Washington contra os produtos chineses.

    A soja é cultivada nos estados de Iowa, Nebraska e Kentucky, que votaram em Trump, por isso Pequim acredita que a imposição de tarifas sobre a soja deverá pressionar Donald Trump tanto econômica como politicamente.

    Por outro lado, a medida obriga a China a diversificar seus fornecedores de soja. Como nenhum país é capaz de substituir o volume fornecido pelos EUA, a China compra uma parte ao Brasil e outra à Argentina. A Rússia também pode entrar na lista de fornecedores principais.

    "Está claro que, no futuro, a China não vai importar soja dos EUA nos mesmos volumes, isso significa que é preciso importar de outros países. É uma excelente chance para a Rússia", disse Zhenwei.

    De acordo com o economista, a maior vantagem da soja russa é que não é geneticamente modificada.

    "No momento, a China importa anualmente da Rússia cerca de 500 mil toneladas de soja. Se a Rússia aumentar o cultivo, será uma boa chance para atrair investidores chineses. Além disso, os alimentos russos e produtos agrícolas suscitam bastante confiança, pois nunca são falsificados"', sublinhou o especialista.

    Zhenwei ressaltou que as tarifas e sanções dos EUA contra a Rússia e a China obrigam os dois países a aprofundarem a cooperação econômica e comercial. Paralelamente, a Rússia está deixando de ser fornecedor apenas de matérias-primas para China, começando a exportar produtos processados.

    Mais:

    China substituirá soja dos EUA pela brasileira
    Rússia impulsiona comércio em rublos e yuans com China para substituir dólar
    Tags:
    fornecedores, importações, soja, Fórum Econômico Oriental (EEF), Argentina, Brasil, EUA, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik