14:53 15 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Especialistas efetuam inspeção das carnes obtidos em mercados cariocas, em 2017 (foto de arquivo)

    Empresário agrícola russo: 'Mercado brasileiro é grande, mas não é chave'

    © AFP 2018 / Vanderlei Almeida
    Economia
    URL curta
    Ekaterina Nenakhova
    5107

    A Rússia, sendo anteriormente grande consumidora de carne brasileira, continua fechada para as importações do país devido ao uso fragmentado de ractapamina nas rações. Quais são as chances deste embargo ser algum dia cancelado? E caso seja, será que as vendas ficarão no mesmo nível?

    Como informamos anteriormente, as entidades russas, inclusive o Rosselkhoznadzor, por enquanto não planejam cancelar a suspensão das importações brasileiras por escassez de dados. Enquanto isso surge outra "porta" no comércio bilateral — as vendas do trigo russo no mercado brasileiro. No fim de junho, foi efetuado seu primeiro descarregamento no porto de Fortaleza.

    Seja por razões da cooperação perturbada por mudanças políticas no Brasil ou pela geral turbulência na economia de países emergentes, a parceria dos dois países-membros do BRICS parece muito menos animada agora do que uns cinco anos atrás.

    Uma das manifestações disso é o interesse cada vez menor dos produtores russos. Declarações sobre ampliação das parcerias surgem com frequência merecida, sim, mas na prática não parece estar sendo concretizada.

    Uma opinião que fala em sintonia com essas observações foi feita à Sputnik Brasil hoje (11), nas margens do Fórum Econômico Oriental de 2018 que decorre na cidade russa de Vladivostok, pelo diretor-geral do grupo de empresas agrícolas russas Rosagro, Maksim Basov.

    A companhia, que obteve lucros de 79,1 bilhões de rublos (quase 5 bilhões de reais) no ano passado, é a segunda maior produtora de carne suína no mercado russo, sendo também forte fornecedora de açúcar, produtos oleaginosos e trigo.

    "Nos primeiros seis meses desse ano a Rússia virou país exportador líquido de carne suína. Ou seja, a produção continua aumentando e, acredito, a partir de algum tempo o fator das importações deixará de estar em questão", disse Basov ao falar sobre possível retomada das importações brasileiras.

    Ao mesmo tempo, vale ressaltar que, neste ano, os preços da carne no mercado russo sofreram um aumento drástico. No fim do verão, por exemplo, a carne suína estava aproximadamente 20% mais cara; uma das razões para isso, segundo opinam vários economistas, é a falta dos produtos brasileiros nas prateleiras, o que evidentemente reduz a concorrência.

    Quanto ao trigo, Basov apreciou a recente autorização das entradas russas feita pelos serviços brasileiros, mas fez questão de sublinhar que esse mercado não está entre as principais prioridades.

    "Este mercado [brasileiro] é bem grande, mas para a Rússia não é o mais interessante. Hoje, a Rússia exporta trigo para mais de 30 países. O mercado brasileiro, sim, embora não seja pequeno, não podemos chamar de chave para nós. Primeiro, os mercados egípcio, iraniano ou até turco são muito mais importantes. Segundo, do ponto de vista logístico, o Brasil é um mercado bem afastado e lá não somos assim tão capazes de concorrer, como nos países da África do Norte. Por isso, acredito que essa questão não está nada na pauta para o mercado", confessou.

    Diretor-geral do grupo de empresas agrícolas russas Rosagro, Maksim Basov, fala aos jornalistas durante o Fórum Econômico Oriental 2018, em 11 de setembro de 2018
    © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    Diretor-geral do grupo de empresas agrícolas russas Rosagro, Maksim Basov, fala aos jornalistas durante o Fórum Econômico Oriental 2018, em 11 de setembro de 2018

    Porém, em uma entrevista a algumas mídias chinesas e russas nas margens do evento, confessou que sua empresa espera algum dia ter como seu mercado principal a China.

    Mais:

    Desemprego recua e vai a 12,3% no Brasil, diz IBGE
    Por que o Brasil faz investimentos científico-militares na Antártica?
    IBGE: PIB do Brasil avança 0,2% no trimestre
    Pesquisador: Brasil tem potencial para liderar setor de produção de energia sustentável
    Tags:
    carne suína, produtos agrícolas, trigo, Fórum Econômico Oriental (EEF), Rosagro, China, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik