05:59 15 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Navio-cisterna de GNL (foto de arquivo)

    'Xadrez energético': poderá guerra comercial entre EUA e China envolver esfera do gás?

    © AP Photo / Koji Sasahara, File
    Economia
    URL curta
    5191

    Pequim tem um trunfo na manga na guerra comercial com os Estados Unidos: a importação de gás liquefeito norte-americano, que pode tarifar a qualquer momento.

    Porém, introduzir o gás estadunidense na "lista negra" de produtos com altas tarifas poderia piorar as relações de Washington não apenas com a China, mas, curiosamente, também com a Rússia, escreve a revista russa Expert.

    Um dos objetivos estabelecidos por Donald Trump é reduzir o défice da balança comercial dos EUA em geral e com a China em particular. Pequim, por sua parte, precisa de grandes volumes de petróleo e gás, que compra não apenas aos EUA, o que desagrada a Trump.

    Para evitar a guerra comercial atual, Pequim sugeriu a Washington comprar bens e matérias-primas norte-americanos por um valor de 70 bilhões de dólares (R$ 273 bilhões), incluindo gás natural liquefeito (GNL), que é muito importante para a Casa Branca. No entanto, a administração Trump recusou a proposta chinesa e introduziu a primeira rodada de tarifas.

    Após a resposta negativa, a China ameaçou incluir o petróleo estadunidense na lista de medidas de resposta, mas o governo chinês acabou por mudar de opinião. As características especiais do petróleo americano junto com os descontos oferecidos pelas empresas dos EUA fazem do "ouro negro" um produto demasiado atraente. Além disso, a introdução de tarifas neste caso prejudicaria mais Pequim do que Washington, diz o artigo da Expert.

    Mas com o gás a situação é diferente e este poderá entrar na lista dos produtos americanos tarifados pela China.

    A luta da China por conseguir que seus cidadãos disponham de ar limpo faz com que o país esteja abandonando gradualmente o carvão, substituído pelo gás. O gás constitui atualmente 6% do consumo energético do gigante asiático, mas este indicador deverá dobrar nos próximos tempos. No momento, Pequim é o segundo maior importador de gás no mundo, mas em 2019, segundo a revista, deverá ocupar o primeiro lugar.

    Os norte-americanos, por sua parte, consomem apenas um pouco mais de metade do gás que se produz no país e precisam de exportar o restante. Naturalmente, o tamanho da economia chinesa e a sua taxa de crescimento fazem do país um dos principais mercados de GNL. Neste contexto, as tarifas mudarão radicalmente a situação, opina o autor do artigo.

    Devido às divergências com o país asiático, Washington presta cada vez mais atenção a outros mercados de gás, em primeiro lugar à Europa.

    Os EUA competem com a Rússia por este mercado de quinhentos milhões de consumidores, onde o gigante de gás russo Gazprom tem uma posição dominante. O gás é um dos fatores principais que deterioram as relações entre a Rússia e os EUA. É por isso que a administração Trump tenta forçar a Alemanha a abandonar seus planos de construção do Nord Stream, um gasoduto que fornecerá combustível barato produzido na Rússia a Berlim.

    "Washington olha com inveja para a rica Europa, que poderia em grande parte ajudá-lo a cobrir as perdas ligadas à guerra comercial com a China", opina Sergei Manukov, analista da Expert.

    Porém, apesar de todos os esforços da Casa Branca, é pouco provável, acredita Manukov, que Berlim mude sua posição sobre um projeto que para resultará especialmente vantajoso para a Alemanha.

    Mais:

    Pentágono: China amplia força naval para se contrapor aos EUA
    Americanos acusam Ucrânia de traição por fornecer motores de caças à China
    Confira a arma secreta da China em uma eventual guerra contra os EUA
    Tags:
    tarifas, gás, guerra comercial, GNL, Gás Natural Liquefeito, Alemanha, Europa, Rússia, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik