06:07 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Retratos dos presidentes dos EUA e da China em revistas chinesas (foto de arquivo)

    Cientista político nomeia 2 objetivos de Washington na guerra comercial contra Pequim

    © AFP 2018 / NICOLAS ASFOURI
    Economia
    URL curta
    9181

    A China criticou a decisão dos EUA de introduzir novas tarifas sobre mercadorias chinesas. O cientista político Pavel Salin revelou o que está por trás dessa guerra comercial.

    "É totalmente inaceitável que os EUA alarguem significativamente a lista de mercadorias sujeitas a tarifas, expressamos o nosso veemente protesto contra isso", diz o comunicado do Ministério do Comércio da China.

    Anteriormente, o Wall Street Journal revelou que, na medida em que a China já respondeu com uma taxa de 25% sobre 659 produtos norte-americanos, Donald Trump ameaçou introduzir novas taxas contra importações do país asiático no valor de 200 bilhões de dólares (753,7 bilhões de reais).

    O cientista político e diretor do Centro de Estudos Políticos da Universidade de Finanças da Rússia, Pavel Salin, opinou em entrevista ao serviço russo da rádio Sputnik qual será o país que sofrerá mais com as novas medidas restritivas dos EUA.

    Segundo ele, os norte-americanos estão agravando o conflito comercial entre os dois países. Entretanto, Pequim já mostrou que não vai tolerar essas ações de Washington e adotou medidas simétricas. Os EUA, por sua vez, não tencionam desistir de sua política, prometendo adotar novas medidas restritivas.

    "A questão principal é qual será o país que sofrerá mais, porque o aumento de tarifas na guerra comercial com a China tinha dois objetivos. O primeiro era fazer com que os chineses desistissem de sua ideia principal, quando eles exigem que os produtores estrangeiros lhes entreguem tecnologias. O segundo era demostrar aos eleitores […] que estão defendendo seus interesses. As tarifas de resposta, introduzidas pela China e Europa, afetam esses eleitores", explicou Salin.

    Para o analista, a guerra comercial desencadeada por Washington pode ter graves consequências para os próprios norte-americanos.

    Em 15 de junho o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou tarifas de 25% sobre importações chinesas, no valor de 50 bilhões de dólares (R$ 186,8 bilhões).

    A China, por sua vez, anunciou a introdução de tarifas de importação de 25% sobre 659 denominações de mercadorias norte-americanas, num total de cerca de 50 bilhões de dólares, em resposta às medidas similares dos EUA.

    Mais:

    Afinal, guerra comercial entre EUA e China será boa ou ruim para o Brasil?
    Em meio a guerra comercial, vingança contra empresas dos EUA não está na agenda da China
    Tags:
    relações comerciais, sanções, tarifas, guerra comercial, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik