05:08 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira dos EUA junto a emblema nacional da China (foto de arquivo)

    Análise: guerra comercial com China poderia provocar recessão nos EUA já em 2019

    © AP Photo / Andy Wong
    Economia
    URL curta
    7291

    Prejuízos diretos à China e aos EUA devido à guerra comercial serão semelhantes, estimam analistas. Para as economias americana e chinesa, consequências resultariam na perda de 0,2 a 0,3% do PIB anual, não sendo estes tão graves. Entretanto, e economia dos EUA poderia entrar em colapso já no primeiro semestre de 2019, acredita especialista russo.

    Analistas estimaram consequências econômicas à luz das recentes ações dos EUA e da China: em resposta às declarações de Trump sobre a imposição de tarifas de 25% nas importações chinesas, o país asiático anunciou medidas simétricas em relação a mercadorias norte-americanas.

    "A situação é extremamente tensa, os mercados se encontram em um estado nervoso, apesar de o cenário da guerra comercial entre os EUA e a China ter sido calculado", assinalou o analista financeiro, entrevistado pela Sputnik China, Nikita Maslennikov.

    De acordo com ele, há chances de a administração de Trump, inspirada em êxitos econômicos obtidos em curto prazo, fechar os olhos para riscos e consequências duradouros, destacou Maslennikov.

    "Em 2019, a guerra comercial será capaz de provocar nos EUA uma recessão. Como resultado, pode acontecer aquilo que menos desejaríamos, ou seja, a repetição da crise dos anos de 2008 e 2009", explicou o analista, acrescentando que a China entende muito bem os riscos com que precisarão lidar.

    Prejuízos diretos para as econômicas dos EUA e da China seriam similares. Entretanto, os volumes dos riscos para a China podem representar um sério problema. Os EUA contam com um sistema financeiro mais desenvolvido, sua economia é mais voltada para os mercados financeiros mundiais do que o chinês. Sendo assim, a China tem potencial para procurar compromissos e decisões adequadas, segundo Maslennikov.

    "Por outro lado, dá para entender o posicionamento chinês. Quanto tempo se pode jogar neste pôquer — tudo que é concordado pelos EUA, é reavaliado em duas ou três semanas. Pode-se ou não confiar no que foi concordado com a administração de Trump?"

    Os efeitos secundários dessa guerra serão negativos principalmente para as economias dos parceiros econômicos da China e dos EUA, que, de fato, abrangem toda a região do Pacífico. Sendo assim, uma nova recessão poderia começar mais cedo do que previsto.

    De acordo com analista e professora do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou, Ekaterina Arapova, em uma perspectiva de longo prazo, essa guerra comercial pode causar mudanças no sistema econômico da China, ou seja, a transformação do consumo interno no principal incentivador da economia, desenvolvendo, assim, indústrias inovadoras.

    "De certo modo, esta guerra comercial contribuirá para a aceleração de todos estes processos na economia chinesa por ser um estimulador adicional. No momento, a China não pode introduzir quotas de importações para os produtos de tecnologia de ponta dos EUA por depender das tecnologias norte-americanas e de outros países desenvolvidos", assinalou.

    Arapova acrescentou que medidas de restrição de importações de matéria-prima também poderiam incentivar o desenvolvimento de energia alternativa no gigantes asiático.

    Vale ressaltar que as medidas de resposta chinesas têm como alvo a produção dos estados norte-americanos que votaram mais em Trump durante as eleições presidenciais. Entre os produtos afetados por tarifas se encontram soja, milho, trigo, arroz, sorgo, carne bovina, suína, aves, peixes, laticínios, nozes e vegetais.

    De acordo com dados da Bloomberg Intelligence, o valor total do carvão norte-americano exportado para a China no ano passado contabilizou US$ 395 milhões (R$ 1,4 bilhão). Hoje, a China é um dos principais compradores do petróleo norte-americano. Suas compras ajudam a estimular o crescimento das exportações dos Estados Unidos.

    Enquanto isso, para a China, sendo este país o maior importador de petróleo do mundo, o petróleo norte-americano é apenas uma pequena parte de seu balanço energético. Os maiores fornecedores são a Arábia Saudita e a Rússia. A este respeito, analistas acreditam que as contramedidas chinesas podem afetar dolorosamente os exportadores de commodities dos EUA.

    Mais:

    Nova guerra comercial entre EUA e China é questão de dias?
    Breve história de como China se tornou membro da ONU contra vontade dos EUA
    'Pesadelo absoluto para EUA': China revela novo caça não tripulado (FOTO)
    Tags:
    guerra comercial, consequências, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik