10:41 10 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Michel Temer e Xi Jinping durante cúpula do G20 na China

    2018 pode marcar surgimento de várias 'Rotas da Seda'

    © AFP 2019 / Greg Baker
    Economia
    URL curta
    270
    Nos siga no

    Japão, Índia e Coreia do Sul já estão planejando alternativas ao projeto da China, disse o doutor Carlos Moneta. O especialista realizou, além disso, um balanço de 2017, na Ásia.

    No plano econômico, disse que esses países mantêm as taxas de crescimento mais altas do mundo. O geopolítico também analisou as tensões e as iniciativas de integração.

    "Do ponto de vista econômico, foram mantidos bons níveis de crescimento. China esteve entre 6 e 7%. Para Índia, Coreia e Japão, houve variações, mas os valores são bons, e o Sudeste também cresce, em média de 5%. Em termos muito gerais, pode-se dizer que os principais países e grupos mostraram bons resultados", assegurou Carlos Moneta, doutor em relações internacionais e em ciências sociais e professor da Universidade Nacional de Tres de Febrero (Buenos Aires). Não obstante, a região apresentou rispidez no plano político e geoestratégico.

    Moneta se referiu a uma importante alteração na China com a consolidação de Xi Jinping como líder.

    "Há um ponto de ruptura na política externa. Passa-se da estratégia de Deng Xiaoping de esconder a cabeça, para a atual de mostrar uma China forte e poderosa, com um novo papel internacional, com uma presença mais afirmativa em diferentes cenários. A ponta da lança é o projeto da Rota da Seda. Através dele, propõe-se assegurar e promover o comércio, mas também asseguram que vai contribuir para a governança mundial e a formação de uma nova ordem."

    O cenário se torna ainda mais complexo ao observar que "não há uma única Rota da Seda, mas várias": Coreia do Sul também tem a sua "Rota da Seda", o Japão e a Índia, que têm avançado nos diálogos entre os primeiros-ministros Shinzo Abe e Narendra Modi e há outros casos, ressalta o professor à Sputnik Mundo.

    Para finalizar, o especialista falou sobre a importância dos laços da Ásia com países como Argentina, Brasil, Peru e Chile, que querem entrar no Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura. "Isso é fundamental, porque entrar nele significaria para o setor público e privado entrar em um mundo do conhecimento que carecemos completamente."

    Mais:

    FMI espera mais abertura da economia chinesa
    Vice-presidente do banco do BRICS não acredita em estagnação da economia chinesa
    Brasil-China: economista descarta possíveis riscos provocados por capital estrangeiro
    Tags:
    Rota da Seda, Xi Jinping, América Latina, Ásia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar