06:16 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    China deve puxar importações de países latinoamericanos este ano com alta de 23%

    Após cinco anos de crise, economias latino-americanas começam a dar a volta por cima

    STR/AFP
    Economia
    URL curta
    211

    Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, o diretor do escritório da Cepal no Brasil, Carlos Mussi, prevê que as exportações desses países devem encerrar o ano com alta média de 10%, mesmo percentual no volume de comércio entre os países.

    Mussi justifica as previsões pelo preço maior de vários produtos básicos e das menores restrições tarifárias adotadas em vários países. A China, mais uma vez, deve ser a maior importadora do bloco, com alta anualizada de 23% nas compras e de países asiáticos, devem registrar aumento de 17%.

    "Há uma certa recuperação dos preços das commodities e na sua quantidade e, no caso de Brasil e México, uma certa recuperação nas exportações industriais", diz o diretor da Cepal, observando, porém, que há no caminho um contexto de incerteza quanto aos cenários macroeconômico, tecnológico e geopolítico. 

    "Estamos ainda com os resquícios da crise de 2008 com seus efeitos colaterais, como o ajuste na política norte-americana e a substituição da presidenta do FED (o banco central), que pode direcionar como vai ser a política de juros nos Estados Unidos. Temos também a incerteza de como será verdadeiramente a nova política comercial dos EUA. Vamos ver também como a China vai atuar, a Europa, o Japão e outros países", diz.

    Para Mussi, o volume de importações chinesas deve se repetir em 2018, talvez com menos compra de minério de ferro e mais de commodities alimentícias, uma vez que o modelo de desenvolvimento chinês está passando de priorizar os chamados investimentos duros, como os de infraestrutura, para a área de consumo. Além disso, o diretor da Cepal observa que a China está muito atuante na facilitação do comércio internacional, seja na iniciativa da Rota da Seda, ou nas tomadas no âmbito do Banco de Desenvolvimento da Ásia e do Novo Banco de Desenvolvimento, seja ainda no maior volume de investimentos feitos em todo o mundo.

    O estudo da Cepal aponta ainda para um aumento das importações da América Latina neste ano e no próximo. Devem liderar as compras a Argentina, com alta de 23,1%, Equador (21,1%), Bahamas (20,1%), Paraguai (19,6%) e Brasil (8%). Mussi diz que o aumento das importações brasileiras acontece mais em equipamentos do que em bens de capital.

    "Vemos um nível de recuperação da economia brasileira e, consequentemente, maior demanda de produtos importados. A grande pergunta é sobre investimentos, e como vai ficar o mix de consumo entre o que é produzido internamente e o que é demandado do exterior. O exemplo clássico é a questão dos automóveis."

    No tocante à condução da política cambial, o diretor da Cepal acredita que, mesmo com um padrão ainda que volátil na comparação com outros países, o cenário aqui é de estabilidade, e o Brasil não deve proceder mudança significativa de rumo em 2018. "O atual patamar de R$ 3,20 por dólar tem permitido as exportações."

    Mais:

    Cepal: Brasil é o país mais endividado da América Latina e do Caribe
    FAO: América Latina e Caribe podem erradicar a fome em menos de 10 anos
    Tags:
    commodities, indústria, comércio exterior, tecnologia, Câmbio, investimentos, Banco de Desenvolvimento da Ásia, FED, Cepal, Novo Banco de Desenvolvimento, Carlos Mussi, América Latina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik