22:29 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    O presidente dos EUA Donald Trump

    Obrigado, Trump! Por que as sanções anti-russas são positivas para a Rússia?

    © AP Photo/ Andrew Harnik
    Economia
    URL curta
    675644293

    Apesar dos esforços de Washington de prejudicar a economia russa, a nova lei aprovada pelo Congresso não só não terá os efeitos esperados, mas também estimulará a economia russa, disse Vladimir Lepekhin, analista político e diretor da Comunidade Econômica Eurasiática.

    "Ao impor novas sanções contra a Rússia, os EUA esperam obter efeitos positivos para seu país e efeitos negativos para a Rússia. Entretanto, na realidade estas medidas poderão ter mais efeitos negativos para os nossos parceiros estrangeiros, dado que poderão reduzir a sua influência internacional e unir os países não ocidentais contra eles", explicou Lepekhin.

    De acordo com o especialista, as sanções do Congresso preveem várias restrições à concessão de crédito às empresas russas pelos bancos norte-americanos. Sem dúvida, isso afetará os empresários russos. Mas, por outro lado, a comunidade empresarial russa começará a recorrer a entidades bancárias não ocidentais.

    Mais do que isso, as medidas adotadas pelos EUA estimularão a Rússia a desenvolver um sistema financeiro estável e soberano. Ao mesmo tempo, os EUA perderão o prometedor mercado russo de serviços bancários, disse Lepekhin.

    Mesmo que as empresas russas sofram dificuldades devido à imposição de sanções, por exemplo, perdendo os contratos em projetos relacionados com a exportação de hidrocarbonetos para a  União Europeia, essas mesmas sanções também podem significar uma oportunidade para o país.

    "Washington abriu para a Rússia a janela de oportunidades. Agora cabe às autoridades russas aproveitá-las", disse o especialista.

    A história se repete, mas só até certo ponto

    Vários economistas alertam que hoje se observa um paralelismo entre a pressão sobre a Rússia nos anos 1980, quando Washington também utilizou sanções e manipulações nos preços do petróleo. Essas medidas contribuíram para o colapso da economia da União Soviética.

    Hoje em dia na economia russa também existe uma alta dependência dos preços do petróleo e do gás. Entretanto, segundo Lepekhin, Washington não conseguirá  destruir a economia russa como fez 30 anos atrás.

    "Nos anos 1980 a economia norte-americana estava em alta, mas hoje em dia o país se encontra em crise. Mais do que isso, estão surgindo tensões entre diferentes grupos de influência do 'establishment' norte-americano. Alguns deles não estão interessados no confronto com a Rússia ou, por exemplo, com a China", sublinhou Lepekhin.

    No fim de julho, o Congresso adotou novas sanções contra a Rússia, a Coreia do Norte e o Irã, que foram assinadas por Donald Trump em 2 de agosto. O documento inclui uma série de medidas restritivas em relação a diferentes setores da economia russa, incluindo a mineração,  indústria automóvel, bancos, empresas energéticas. 

    Mais:

    Rússia e Irã acordam em reforçar cooperação militar na sequência das sanções americanas
    Rússia: diálogo, e não sanções, irá resolver crise com a Coreia do Norte
    Pyongyang: sanções dos EUA prejudicam tanto inimigos como aliados
    Tags:
    empresários, relações bilaterais, sistema financeiro, bancos, sanções, Donald Trump, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik