15:52 18 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Vladimir Putin, presidente da Rússia, responde às perguntas dos jornalistas internacionais por ocasião da abertura do Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo 2017, 1 de junho de 2017

    Putin: países que introduziram sanções perderam mais do que a Rússia

    © Sputnik/ Aleksei Druzhinin
    Economia
    URL curta
    Putin responde a perguntas em Linha Direta (11)
    7260

    O presidente da Rússia disse, ao responder a perguntas na Linha Direta, que as novas sanções foram impostas à Rússia sem qualquer motivo, mas que não acontece nada de extraordinário.

    Pelo contrário, o presidente sublinhou que as sanções "nos obrigaram a usar a cabeça" para resolver os problemas.

    As sanções têm também tido um efeito positivo. Como resultado, a Rússia conseguiu reestabelecer sua competência em várias áreas – na construção de mísseis e foguetes, indústria  farmacêutica, construção de máquinas, setor agrícola e outras esferas. O presidente sublinha que a Rússia está buscando mercados de escoamento de seus produtos.

    Falando sobre as perdas causadas pelas sanções, Putin disse que a Rússia perdeu por volta de 50 a 52 bilhões de dólares, mas os países que impuseram as sanções – por volta de 100 bilhões.

    Quando outros países sentiram na Rússia um concorrente, eles introduziram logo restrições sob diversos pretextos, disse Putin.

    "Se não tivesse havido a Crimeia, teriam inventado outro motivo", disse Putin.

    O presidente disse estar certo de que as sanções não impactaram radicalmente a economia russa e que um problema maior foi a queda dos preços do petróleo.

    O formato de Linha Direta estreou em 2001, durante o primeiro mandato de Putin. Em 2013, no seu terceiro mandato (o primeiro depois de Dmitry Medvedev ter ocupado o cargo presidencial), a conversa durou 4 horas e 37 minutos.

    Tema:
    Putin responde a perguntas em Linha Direta (11)
    Tags:
    Linha Direta, Vladimir Putin, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik