03:52 17 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    416
    Nos siga no

    Tentativas de concretizar um Tratado de Livre Comércio entre a União Europeia e o Mercosul vêm sendo realizadas há quase 20 anos. Poucos passos satisfatórios foram dados.

    Em entrevista à Sputnik Mundo, o analista internacional, Jorge Castro, considerou que o acordo em questão depende mais da França do que dos outros países do bloco europeu.

    Enquanto as chancelarias dos quatro países fundadores do Mercosul – Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai – se reúnem na tentativa de alcançar um Tratado de Livre Comércio (TLC) com a União Europeia (UE), especialistas alertam que as chances de fechar tal acordo "são muito pequenas".

    "As chances são muito pequenas, levando em consideração os acontecimentos políticos e geopolíticos na Europa e no mundo que estão minando a base do projeto. Por exemplo, devemos perceber que a política agrícola comum [da União] é empregada principalmente na França. A política agrícola comum foi uma condição necessária estabelecida pela França para adesão à UE em 1961. Isso mostra a importância deste sistema de proteção que não deixa passar produtos alimentícios do Brasil e da Argentina [por exemplo] para o mercado europeu", disse Jorge Castro.

    Marine Le Pen após anúncio dos resultados das eleições
    © AFP 2019 / DENISE CHARLET
    Para o especialista, que ocupa o cargo de chefe do Instituto de Planejamento Estratégico da Argentina, a "competitividade superior" dos produtos alimentícios do Brasil e da Argentina representa uma ameaça para a política agrícola comum imposta pela França para adesão à UE que é "consolidada pelo Tratado de Roma de 1957".

    Segundo o especialista, uma restrição estrutural de exportações dos países do Mercosul alveja proteger "o monopólio da produção de comida francesa" no bloco europeu.

    UE espera que a França continue no bloco e não realize passos semelhantes aos do Reino Unido que, após a votação de junho de 2016, iniciou o processo de Brexit, alerta Castro. No entanto, ele disse que o resultado das próximas eleições presidenciais na França podem mudar o cenário em questão.

    "Há uma possibilidade crescente de que no segundo turno das eleições presidenciais na França, em maio, vença a candidata de extrema direita, Marine Le Pen, da Frente Nacional. Se isso acontecer, Le Pen assumindo presidência da França, como mostram varias pesquisas, neste caso, havia que dar por terminado o projeto histórico da União Europeia como um bloco conjunto", concluiu o analista.

    Mais:

    Mercosul está 'muito preocupado com medidas protecionistas de Trump'
    Temer e Macri defendem fim de obstáculos ao comércio no Mercosul
    Nova política comercial dos EUA deve beneficiar Brasil e Mercosul
    Tags:
    produtos agrícolas, competitividade, agricultura, comércio, Mercosul, Marine Le Pen, Paraguai, Uruguai, União Europeia, França, Argentina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar