16:09 01 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    BRICS em 2016 (30)
    6111
    Nos siga no

    O Novo Banco de Desenvolvimento (NDB na sigla inglesa) do BRICS considera a economia russa como estável e que tem alto potencial de desenvolvimento no futuro próximo, disse o vice-presidente do NDB Zhu Xian à Sputnik na quinta-feira (1).

    O BRICS é um grupo de cinco economias em desenvolvimento, que compreende mais de um terço da população mundial. Os cinco países têm um PIB conjunto nominal equivalente a cerca de 20 por cento do produto interno bruto mundial.

    "O ciclo de negócios desempenha um papel importante na realidade da economia russa. Assim, não devemos ser pessimistas quanto à economia russa. Acredito que a economia russa tem muita resistência <…> e possui um grande potencial" — avisou Zhu Xian.

    "Acreditamos que o desenvolvimento do Extremo Oriente é uma das prioridades da Rússia e queremos fazer qualquer contribuição", disse o vice-presidente do NDB.

    Zhu Xian acrescentou que ele acredita que a região é atraente para os países vizinhos, como a China, Coreia e Japão, lançando processos de integração regional. A declaração de Zhu vem na véspera do Fórum Econômico Oriental, que começará na sexta-feira (2) na cidade russa de Vladivostok. O fórum, que durará até sábado, deverá atrair cerca de 2.500 participantes de países como China, Japão, Coreia do Sul, Índia, Vietnã, Austrália, Estados Unidos e Singapura.

    O NDB foi estabelecido pelo BRICS em julho de 2014 para financiar projetos de infraestruturas e de desenvolvimento sustentável, tanto no BRICS como em outros países em desenvolvimento.

    Tema:
    BRICS em 2016 (30)

    Mais:

    Bloomberg considera o rublo como uma das melhores moedas do mundo
    Economia matutina: rublo cresce, dólar cai
    Wall Street Journal explica quem recuperou a economia russa
    Bloomberg: economia russa mostra sinais de recuperação
    Tags:
    NBD, Novo Banco de Desenvolvimento, BRICS, Extremo Oriente, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar