22:49 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    16978
    Nos siga no

    A Rússia deve retirar seus mísseis da parte europeia do país, que violam o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (Tratado INF), disse à Sputnik o representante especial do presidente dos EUA para não proliferação nuclear, Jeffrey Eberhardt.

    O representante respondeu assim à iniciativa do presidente russo Vladimir Putin de estabelecer uma moratória sobre a instalação de mísseis de médio e curto alcance na Europa.

    "A Rússia já violou o Tratado INF, instalando os mísseis. Então, a solução é eles retirarem esses mísseis", afirmou Eberhardt.

    No início de 2019, Washington anunciou a saída unilateral dos EUA do Tratado INF, acusando a Rússia de o ter violado antes, algo que Moscou desmentiu. Em 2 de agosto do mesmo ano, o tratado deixou de existir.

    Mais tarde, Vladimir Putin avançou uma iniciativa nova para resolver a situação do aumento de tensões na Europa após a retirada norte-americana do Tratado INF. Ele afirmou que Moscou está pronta para não instalar mísseis 9M729 na parte europeia na Rússia, mas sob a condição de medidas de reciprocidade por parte da OTAN.

    O presidente russo também propôs à OTAN realizar inspeções dos sistemas Aegis Ashore com plataformas de lançamento Mk-41 em bases militares europeias da aliança e de mísseis 9M729 em bases russas na região de Kaliningrado.

    Na reunião da OTAN em julho, a Aliança Atlântica disse considerar inaceitável a proposta russa de moratória sobre a instalação de mísseis de médio e curto alcance na Europa.

    Mais:

    Rússia já tem em serviço armas hipersônicas intercontinentais, afirma Putin
    Giroplano militar das Sikorsky e Boeing bate recorde de velocidade após novo teste (VÍDEO)
    Força Aérea dos EUA lança nova bomba antibunker de cerca de 2.300 quilos pela 1ª vez (FOTOS)
    Sistema russo S-400 repele em testes ataque maciço de inimigo convencional (VÍDEO)
    Tags:
    Rússia, EUA, OTAN, mísseis, arma nuclear, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar