22:41 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    10401
    Nos siga no

    Os EUA não podem usar as bases da Rússia na Ásia Central, sendo isso "uma posição firme e definitiva" do país, apontou alto responsável do governo russo.

    A Rússia não mudou sua posição sobre a inaceitabilidade da presença militar dos EUA na Ásia Central, referiu Sergei Ryabkov, vice-ministro russo das Relações Exteriores.

    "Não é a primeira vez que chamo atenção ao fato de que os colegas americanos ou confundem a realidade com os desejos, ou ouvem apenas o que agrada aos seus ouvidos. Em geral, eles seguem o caminho de espalhar relatos na esperança de que isso leve a uma mudança em nossa posição", disse ele aos repórteres após as conversações russo-americanas sobre estabilidade estratégica.

    Apesar dessas ações, sublinhou Ryabkov, não há "a menor mudança" na posição da Rússia sobre a presença dos EUA na Ásia Central.

    "Esta é uma posição firme e definitiva, onde não há um momento de flexibilidade, como foi dito repetidamente aos americanos", acrescentou.

    Na segunda-feira (27) a mídia norte-americana disse que Mark Milley, chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, solicitou a Valery Gerasimov, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia, o uso de bases russas na Ásia Central. Segundo o jornal Wall Street Journal, Gerasimov não fez promessas.

    Os legisladores republicanos nos EUA se insurgiram contra o plano, exigindo que Joe Biden, presidente norte-americano, explique a razão dessa posição, demonstrando preocupação com um eventual aumento na colaboração militar com a Rússia.

    Mais:

    Rússia: continuação da redução de arsenais nucleares só é possível de forma multilateral
    Novas sanções dos EUA: este não é o sinal que todos receberam após cúpula, diz embaixador russo
    Casa Branca: Biden deveria escutar diretamente Putin para que possa haver cooperação
    Tags:
    Rússia, Ásia Central, Sergei Ryabkov, Mark Milley, Valery Gerasimov
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar