15:05 21 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    143
    Nos siga no

    A Força Aérea dos EUA pretende adicionar capacidades de "guerra eletrônica cognitiva" aos caças F-15 da Boeing.

    De acordo com o portal Flight Global, a instituição pretende elevar as capacidades de guerra eletrônica através da implantação de inteligência artificial e aprendizado de algoritmos.

    Atualmente, a aeronave conta com um banco de dados de emissões eletrônicas conhecidas de seus adversários para identificar e conter as ameaças.

    Contudo, os EUA seguem observando os avanços dos sistemas de radar adversários, capazes de rastrear as aeronaves norte-americanas com novos sinais, que não estão no banco de dados do país, tornando suas aeronaves vulneráveis.

    A guerra eletrônica cognitiva tem como objetivo utilizar a inteligência artificial (IA) e o aprendizado de máquina para identificar rapidamente estes novos sinais.

    Oficiais do Centro de Gerenciamento do Ciclo de Vida da Força Aérea na Base de Wright-Patterson, estado de Ohio, emitiram um pedido de informações na quinta-feira (11) para o projeto de IA.

    Apesar de não falar sobre os detalhes, sabe-se que a Força Aérea está interessada em tecnologias que forneçam rápida reprogramação de guerra eletrônica cognitiva e capacidade de aprendizado "para os sistemas responderem de uma maneira mais rápida e inteligente contra os adversários".

    O Escritório do Programa F-15 da Força Aérea busca tecnologias que poderiam ser instaladas nos próximos dois anos nos sistemas de guerra eletrônica em desenvolvimento para os caças F-15.

    Mais:

    Caça F-15 dos EUA intercepta avião de passageiros do Irã na Síria (VÍDEO)
    Piloto de F-15 revela à mídia americana combate contra caça soviético MiG-23 durante Guerra Fria
    Reportada queda de caça F-15 dos EUA no mar do Norte, na costa britânica
    Tags:
    guerra eletrônica, eua, Força Aérea dos EUA, Força Aérea, avião de assalto, avião de combate, avião de ataque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar