03:54 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0 54
    Nos siga no

    Militares dos EUA propõem criar uma rede para lançamento de mísseis de longo alcance, baseados em terra, na zona do Pacífico Ocidental, incluindo nas ilhas japonesas distantes.

    Com isso, os EUA pretendem dissuadir a China de desencadear ações militares contra Taiwan e nas proximidades das ilhas Senkaku, conforme referiu o chefe do Comando do Indo-Pacífico dos EUA, almirante Phil Davidson, esta terça-feira (9) em uma audiência do Comitê de Serviços Armados do Senado.

    "Uma base maior de disparos precisos de longo alcance, possibilitados por todas nossas forças terrestres - não apenas marítimas e aéreas, mas também terrestres - é de extrema importância para estabilizar o que está se tornando um ambiente algo instável no Pacífico Ocidental", afirmou o almirante.

    De acordo com um relatório não classificado do Comando Indo-Pacífico apresentado ao Congresso no final do mês passado, o emprego de armas terrestres ao longo da chamada primeira cadeia de ilhas, que se estende de Okinawa a Taiwan e às Filipinas e inclui as ilhas Senkaku administradas pelo Japão, é crucial "para deter e negar" os "atos de agressão ou coerção contra nossos aliados" por parte dos adversários americanos na área.

    De acordo com o almirante, o maior perigo para os EUA e seus aliados é o atual crescimento militar da China na região, já que os chineses seguem investindo na modernização de suas forças.

    Anteriormente, o Ministério das Relações Exteriores chinês justificou as atividades do país perto das ilhas Senkaku, que Pequim chama de ilhas Diaoyu, no mar do Sul da China, como legítimas.

    A China intensificou as patrulhas na zona disputada. No passado dia 16 de fevereiro, dois navios da Guarda Costeira chinesa, um deles armado com o que parecia ser um canhão automático, entraram de madrugada nas águas territoriais do Japão na zona das ilhas Senkaku, informa o Japan Times.

    Esta foi a sétima vez que Pequim enviou seus navios às águas territoriais japonesas, e a primeira a enviar um navio armado desde que, no dia 1º de fevereiro deste ano, aprovou uma lei permitindo abrir fogo contra embarcações estrangeiras nas águas que Pequim considera suas.

    Por sua vez, analistas acreditam que os EUA estão tentando conter a China reunindo seus aliados ocidentais nesta região e que isso tem mais significado político do que militar.

    Mais:

    ONU: sanções dos EUA contra Rússia e China violam direitos humanos e pactos internacionais
    Especialista: ao incentivar Rússia e China a se unirem, EUA criam rival invencível
    'Sem precedentes': aviões espiões dos EUA conduzem 75 missões em fevereiro no mar do Sul da China
    Tags:
    EUA, Japão, China, Taiwan, míssil, mísseis
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar