05:01 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0 32
    Nos siga no

    A Coreia do Sul implantará um radar de longo alcance fabricado no país para elevar as capacidades de defesa aérea, substituindo os antigos radares estrangeiros.

    Nesta segunda-feira (8), a Administração de Programas de Aquisição de Defesa da Coreia do Sul (DAPA, na sigla em inglês) assinou um acordo de US$ 41 milhões (R$ 220 milhões) com a empresa LIG Nex1 Co.

    De acordo com a agência de notícias Yonhap, citando a DAPA, o acordo com a empresa aeroespacial sul-coreana prevê um projeto de desenvolvimento de quatro anos, com previsão de ser implantado em 2027.

    "Quando o radar for implantado, será possível realizar um monitoramento mais completo da KADIZ. Este também deve contribuir para revitalizar a indústria de defesa doméstica, substituindo os radares estrangeiros", informou a DAPA.

    O radar será capaz de monitorar e identificar aeronaves dentro da zona de identificação de defesa aérea sul-coreana (KADIZ, na sigla em inglês), enviando informações ao Controle Central da Força Aérea e ao Centro de Informação para Operações de Defesa.

    Novo radar que será desenvolvido para elevar capacidades de defesa da Coreia do Sul
    © Foto / DAPA
    Novo radar que será desenvolvido para elevar capacidades de defesa da Coreia do Sul

    A Coreia do Sul vem reforçando suas capacidades militares, tendo recentemente apresentado um protótipo de caça, anunciado o desenvolvimento de um novo posto de comando blindado, para além da compra de helicópteros Seahawk e de sistemas de defesa norte-americanos Patriot. O país tem igualmente aumentado seus gastos com a defesa.

    Mais:

    Coreia do Sul compra helicópteros Seahawk para elevar capacidades antissubmarino
    Caça de última geração da Coreia do Sul tem novas FOTOS reveladas
    Coreia do Sul tem sua 1ª empresa participando de projetos em conjunto com Exército dos EUA
    Tags:
    Força Aérea, Defesa, radares, radar, Coreia do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar