13:35 17 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0 141
    Nos siga no

    O míssil BrahMos, projetado, desenvolvido e produzido em conjunto entre a Índia e Rússia, gerou um grande interesse global e agora espera-se que mude de tamanho.

    O míssil de cruzeiro já foi adotado pelo Exército indiano e está sendo cobiçado por países como Chile, Argentina, Brasil e Venezuela.

    "Todo produto precisa evoluir, então o BrahMos será sujeito a evolução. Haverá uma versão menor do míssil para aeronaves menores, como o caça leve Mk 2 e AMCA, bem como outras aeronaves por todo o mundo", afirmou o CEO da BrahMos Aerospace, Sudhir K. Mishra, ao portal The Financial Express.

    A evolução faz parte de um projeto que busca a diversificação e a expansão do mercado, já que com uma miniversão o projétil "poderia evoluir em eficiência de equipamento mais leve e integração de nossos mísseis em diferentes plataformas", informa.

    A miniversão do BrahMos deve ser desenvolvida nos próximos dois anos, contando com um radar AESA. O míssil poderá ser exportado para outros países depois que os procedimentos intergovernamentais sejam cumpridos.

    Míssil russo-indo BrahMos
    © Sputnik / Aleksei Danichev
    Míssil russo-indo BrahMos

    BrahMos é um míssil de cruzeiro supersônico que pode ser lançado desde submarinos, navios, aeronaves ou do solo.

    BrahMos Aerospace é um empreendimento conjunto da Organização de Pesquisa e Desenvolvimento da Defesa da Índia (DRDO, na sigla em inglês) e do escritório de projetos de foguetes NPO Mashinostroeniya da Rússia, estabelecido em 1998. O nome da empresa é a combinação dos nomes do rio indiano Brahmaputra e do rio russo Moscou.

    Mais:

    Rússia revela características do míssil balístico intercontinental Yars
    Índia inicia testes da versão terrestre do míssil de cruzeiro supersônico BrahMos (VÍDEO)
    Índia integra 1ª esquadrilha de caças Su-30MKI com mísseis BrahMos (VÍDEO)
    Tags:
    míssil balístico intercontinental, míssil hipersônico, míssil de cruzeiro, míssil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar