10:39 05 Março 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    1280
    Nos siga no

    Os dois aviões Tu-214ON que a Rússia usou para os voos de observação no marco do Tratado de Céus Abertos serão usados para missões de reconhecimento após Moscou deixar definitivamente o tratado, segundo diplomatas e militares.

    A chancelaria russa anunciou na última sexta-feira (15) o início dos procedimentos para a retirada do país do Tratado de Céus Abertos devido à recente saída dos EUA ter "alterado gravemente o equilíbrio de interesse dos países-membros, alcançado após a assinatura do acordo" em 1992. Para além disso, os demais participantes não apoiaram as propostas de Moscou para garantir a vigência do tratado nas novas condições.

    "Quando a participação russa no Tratado cessar definitivamente, os dois aviões Tu-214ON deverão ser requalificados para outras tarefas. Trata-se de funções de reconhecimento e vigilância de nossas próprias instalações militares", afirmou a fonte à Sputnik.

    Além disso, estes aviões podem ser usados para controlar os resultados de testes de diverso armamento ou avaliar a eficiência de manobras militares.

    Outra fonte observou que "o uso dos Tu-214ON como aviões de reconhecimento exigirá a instalação dos mais modernos equipamentos radiotécnicos e radioeletrônicos de reconhecimento, tendo já sido tomada uma decisão preliminar nesse sentido".

    Quando estes aviões foram desenvolvidos, foi levada em consideração a possível necessidade de uma ampla modernização. "Ninguém desperdiçará aeronaves tão preciosas", adicionaram.

    As fontes também observaram que, até o fim do processo de retirada da Rússia do Tratado de Céus Abertos, os aviões permanecerão na reserva.

    Avião de reconhecimento russo Tu-124ON criado para sobrevoar territórios dos países-membros do Tratado de Céus Abertos
    Avião de reconhecimento russo Tu-124ON criado para sobrevoar territórios dos países-membros do Tratado de Céus Abertos

    O Tu-214ON, criado na base do avião de passageiros Tu-214, é uma das mais potentes aeronaves russas de vigilância aérea. Os aviões foram produzidos em 2011 e 2013 e receberam certificação internacional para realizar voos de observação sobre o território dos Estados-membros do Tratado de Céus Abertos em setembro de 2018.

    O Tratado dos Céus Abertos, assinado em 1992 em Helsinque, permite que observadores militares realizem voos de vigilância aérea para obter imagens sobre movimentos de tropas e navios dos países signatários.

    Um total de 34 países participava do tratado. Em 21 de maio de 2020, Trump anunciou a intenção de retirar os EUA do tratado com base em supostas violações por parte da Rússia.

    Em 15 de janeiro de 2021, a Rússia anunciou o início do processo formal de retirada do convênio, após a saída dos EUA em novembro de 2020. O Ministério das Relações Exteriores russo observou que, depois que os EUA abandonaram o tratado, o anterior equilíbrio de interesses dos Estados participantes foi significativamente afetado, não tendo os restantes países apoiado as propostas russas para manter a viabilidade do tratado nas novas condições.

    Mais:

    Aliados da OTAN apelam aos EUA para que não se retirem do Tratado de Céus Abertos, diz mídia
    Donald Trump confirma saída dos Estados Unidos do Tratado de Céus Abertos
    NI compara saída dos EUA do Tratado de Céus Abertos à Crise dos Mísseis de Cuba
    Tags:
    Rússia, avião de reconhecimento, avião militar, avião
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar