03:47 28 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0 55
    Nos siga no

    O Pentágono autorizou formalmente a produção do Sistema Integrado de Comando de Batalha de Defesa Antimíssil e Antiaérea (IBCS, na sigla em inglês), um sistema de comando multifuncional há muito desejado e há muito adiado.

    O sistema IBCS, desenvolvido pela gigante da defesa Northrop Grumman, promete ligar radar de longo alcance e outros equipamentos de sensores com mísseis antiaéreos e antimísseis usando capacidades de computação avançada, segundo informou o portal Defense News, citando representante do Departamento da Defesa dos EUA.

    Na quarta-feira (14), a subsecretária para aquisição e manutenção do Pentágono, Ellen Lord, teria assinado um memorando formal de aquisição do sistema, aprovando sua produção inicial de baixa intensidade depois de uma audiência do conselho de aquisição no mês passado.

    O IBCS serviria como centro nevrálgico de um sistema de defesa antiaérea integrado para as Forças Armadas dos Estados Unidos. O Exército espera ser equipado ao menos com uma unidade do sistema até 2022.

    Depois de entrar em serviço, o sistema IBCS substituirá os sistemas de comando e controle antigos, inclusive a Estação de Controle de Engajamento (ECS, na sigla em inglês), da Raytheon, do sistema de mísseis Patriot, e fornecerá aos usuários uma defesa antiaérea única integrada.

    O Pentágono alocou financiamento de pelo menos US$ 2,6 milhões (R$ 13,6 milhões) para desenvolvimento do programa desde 2009. A corporação Northrop Grumman se tornou seu principal contratante em 2010.

    Desde 2015, têm sido realizados testes do sistema e sua entrada em serviço foi planejada para 2018, mas foi adiada devido a problemas de software e custos excessivos.

    Northrop Grumman descreve o IBCS como um "sistema revolucionário de comando e controle desenvolvido para uma visão única e inequívoca do espaço de batalha", possuindo "localizador de aeronaves e mísseis significativamente reforçado", o que aumentaria drasticamente a "capacidade de comandantes combatentes e defensores aéreos de tomar decisões críticas em segundos".

    Em agosto do ano passado, as Forças Armadas ensaiaram com sucesso o IBCS, durante um teste para usuários limitados, abatendo um míssil de cruzeiro de baixa altitude e um míssil balístico de alta altitude, alta velocidade e curto alcance no Campo de Testes de Mísseis de White Sands no Novo México, EUA.

    Mais:

    Diretor de testes do Pentágono revela problemas do porta-aviões mais caro dos EUA
    Mais poderosa do que nunca? Armamentos que Rússia usará nos próximos anos
    Turquia diz que voltar atrás na compra de S-400 é 'problemático' e sugere diálogo com EUA
    EUA desenvolvem 'perigoso' míssil hipersônico de alcance intermediário, diz mídia
    Tags:
    produção, comando, Forças Armadas, Pentágono, defesa antimísseis, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar