17:52 20 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2431
    Nos siga no

    O Uruguai é um dos países da América do Sul que precisa renovar sua frota de caças e aviões de ataque.

    Com isso, o país sul-americano estuda comprar o avião russo Yak-130. Desenvolvido originalmente como um avião de treinamento, suas novas versões possuem características, capacidades e desempenho de um caça leve.

    A aeronave russa, caso seja escolhida, substituirá os A-37 Dragonfly e os IA-58 Pucará da Força Aérea uruguaia.

    A versão mais recente do Yak-130 é dotada de radar, cockpit de vidro completo em configuração multimissão e capacidade de transportar uma ampla gama de armamento.

    Yak-130 é um caça subsônico para treino avançado e ataque leve. Avançado tecnologicamente e extremamente ágil, ele é considerado um dos melhores aviões do seu tipo.
    © Sputnik / Vladimir Astapkovich
    Yak-130 é um caça subsônico para treino avançado e ataque leve. Avançado tecnologicamente e extremamente ágil, ele é considerado um dos melhores aviões do seu tipo.

    A proposta russa ao Uruguai se enquadra no acordo assinado entre duas entidades uruguaias: o Ministério da Defesa Nacional e a Corporação Nacional para o Desenvolvimento (CND), para a estruturação de gestão fiduciária e administrativa destinada a financiar o reequipamento da Força Aérea uruguaia. A Rússia estaria em condições de oferecer um financiamento adequado da aquisição.

    A negociação inclui seis aviões Yak-130, com um valor estimado de US$ 19 milhões (R$ 104 milhões), prevendo, em curto prazo, a entrega de duas unidades por ano, segundo o portal Zona Militar.

    Mais:

    'Um dos melhores do mundo': capacidades de caça russo Su-35S são avaliadas pela mídia dos EUA
    Argélia é 1º país do continente africano a comprar caças russos de 5ª geração Su-57
    Rússia recebe 3 novos caças Su-35S e completa contrato de 50 aeronaves
    Tags:
    equipamento militar, Uruguai, avião de assalto, avião de combate, avião de ataque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar