08:05 28 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    O Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA planeja fornecer às suas unidades de infantaria enxames de drones.

    De acordo com o portal Defense News, o programa visa adotar drones lançados do solo que sejam anti-interferência e tenham um alcance de até 20 quilômetros, além de uma autonomia de 90 minutos.

    Os drones devem ser implantados com a ajuda de, no máximo, dois militares e ser capazes de eliminar tropas e equipamentos inimigos.

    O drone RQ-170 Sentinel foi fotografado durante pouso na Fábrica 42 da Força Aérea dos EUA em Palmdale, na Califórnia
    O drone RQ-170 Sentinel foi fotografado durante pouso na Fábrica 42 da Força Aérea dos EUA em Palmdale, na Califórnia

    As Forças de Operações Especiais utilizam pequenos drones kamikazes (em que o drone procura por alvos e ataca assim que um alvo é localizado), contudo, a tecnologia de enxame forneceria a capacidade de causar sérios danos ao adversário, segundo o especialista militar Bryan Clark.

    "A ideia do enxame seria como 'arrasar as defesas inimigas e romper as linhas de retirada' [...]. Você quer arrasar as defesas ou causar explosões em uma ampla área para tentar controlar o adversário ou cortar suas linhas de retirada", afirmou Clark.

    Além disso, ele ressaltou que, usando o enxame de drones, os militares podem aplicar um tipo de ataque que leva os adversários para uma área limitada, a chamada "caixa da morte".

    A tecnologia também pode ser usada para enganar os inimigos na busca por unidades de fuzileiros navais na direção errada.

    Mais:

    Helicópteros da Marinha dos EUA serão equipados com ferramenta para caçar submarinos inimigos
    Secretário da Marinha dos EUA sugere criar nova frota e implantá-la entre oceanos Índico e Pacífico
    Destróier da Marinha dos EUA navega pelo estreito de Taiwan em meio a tensões com China (FOTO)
    Tags:
    drones, Corpo de Fuzileiros Navais, fuzileiros navais, Marinha dos EUA, Marinha, Marinha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar