14:13 24 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    210
    Nos siga no

    A Embraer afirmou em comunicado ao mercado nesta quarta-feira (9) que não negociou com hackers para tentar impedir a divulgação de dados internos da companhia.

    No dia 25 de novembro, a Embraer foi alvo de um ataque cibernético conhecido como ransomware, modalidade de invasão de sistemas em que hackers pedem pagamento em criptomoedas para não divulgar as informações na Internet.

    "A companhia esclarece que recebeu pedido de negociação de potenciais pagamentos no contexto do ataque cibernético e que não iniciou qualquer processo de negociação, bem como não realizou quaisquer pagamentos a terceiros supostamente envolvidos em tal incidente", disse a Embraer.

    Entre as informações que são atribuídas ao vazamento estão correspondências com detalhes da venda de aviões militares do modelo A-29 Super Tucano para a Nigéria, dados pessoais de funcionários (nomes e telefones) e até a lista dos colaboradores que pagaram R$ 37,92 para participar de um evento intitulado "churras dos parças", uma comemoração de confraternização de empregados.

    A companhia também afirmou no comunicado que autoridades investigam o incidente e que a Embraer "apurou que certas informações foram divulgadas".

    O ransomware foi usado nos recentes ataques que atingiram o STJ (Superior Tribunal de Justiça). Outras instâncias regionais também sofreram recentemente invasão de hackers.

    Mais:

    Embraer entrega 6 aviões A-29 Super Tucano à Força Aérea das Filipinas (VÍDEO)
    KC-390: antecipação de pagamento por Portugal pode ser vitrine para Embraer na Europa
    Nova aeronave híbrida de transporte da FAB e Embraer é apresentada (VÍDEO)
    Embraer fecha venda do cargueiro KC-390 para Hungria, 2º país da OTAN a adquirir a aeronave
    Embraer e EDP firmam parceria para o desenvolvimento de avião elétrico
    Tags:
    economia, Defesa, Super Tucano, A-29, ataque hacker, hacker, Brasil, Embraer
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar