04:44 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    323
    Nos siga no

    Em meio à crise causada pela pandemia da COVID-19, o Ministério da Defesa dos Países Baixos publica novo documento de visão sobre seu futuro orçamento militar.

    O documento de visão estipula um gasto aproximado anual de US$ 30 bilhões (R$ 169,4 bilhões) em uma série de propostas vagas com o objetivo de transformar as Forças Armadas da nação europeia em uma força multiuso, altamente conectada até 2035.

    Enquanto isso, atender ao gasto mínimo de 2% do Produto Interno Bruto (PIB) em defesa até 2024, conforme estipula o compromisso da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), requereria um montante adicional de US$ 8 bilhões (R$ 45,1 bilhões) por ano em relação ao gasto atual, diz o documento.

    Ambas as expectativas são "totalmente irrealistas" para os Países Baixos, que foram duramente afetados pela pandemia de COVID-19. A crise sanitária fez com que o governo holandês apoiasse financeiramente diversas esferas da economia nacional, disse ao portal Defense News o analista Dick Zandee do think tank Instituto Clingendael.

    "A lacuna é muito grande, os passos são muito longos", afirmou Zandee.

    Ainda que não esteja claro se a visão do documento vai seguir vigente após as eleições de março nos Países Baixos, há o consenso político entre os partidos holandeses de que os gastos com defesa deveriam, ao menos, se manterem firmes.

    Ao mesmo tempo, os impactos de uma segunda onda do coronavírus ainda são difíceis de ser avaliados, e expectativas devem ser estudadas novamente devido às consequências econômicas.

    Mais:

    Secretário de Defesa quer dotar Marinha dos EUA com 80 submarinos até 2045
    Força Aérea alemã treina guerra nuclear em exercício da OTAN, diz mídia
    Aparelho de rastreamento é encontrado em carro da missão diplomática russa nos Países Baixos
    Tags:
    COVID-19, novo coronavírus, economia, orçamento militar, OTAN, defesa, Países Baixos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar