19:23 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    267
    Nos siga no

    Dois projetos de armas hipersônicas tiveram finalizados importantes testes de transporte cativo, dando partida aos testes de voo livre.

    Ambas as empresas Lockheed Martin e Raytheon projetaram versões de mísseis hipersônicos como parte do programa Conceito de Arma Supersônica de Respiração de Ar (HAWC, na sigla em inglês), liderado pela Força Aérea dos EUA e pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA, na sigla em inglês), anunciaram as organizações nesta terça-feira (1º), conforme cita o portal Defense News.

    Representação gráfica de um míssil hipersônico durante a fase de lançamento
    © Foto / Lockheed Martin
    Representação gráfica de um míssil hipersônico durante a fase de lançamento

    "Ao completar uma série de testes de transporte cativo, demonstramos que ambos os designs do HAWC estão prontos para voo livre", afirmou Andrew Knoedler, responsável pela participação da DARPA no programa.

    "Estes testes nos fornecem um grande nível de confiança – já bem informada por anos de simulações e trabalhos em túneis de vento, o que nos dá esperança que o caminho único do projeto no qual embarcamos fornecerá capacidades incomparáveis às forças dos EUA", comentou Knoedler.

    A conclusão destes testes deixa as Forças Armadas dos EUA um passo mais perto de realizar sua meta de possuir um míssil de cruzeiro hipersônico, com desenvolvimento de mísseis que possam voar através da grossa atmosfera, atingindo diferentes alvos, algo que, atualmente, se tornou mais viável de produzir.

    Mais:

    'Destruidor de blindados': consórcio Kalashnikov exibe novo míssil guiado antitanque (VÍDEO)
    Laser da Lockheed Martin integrado em avião derruba míssil à 'velocidade de um raio' (VÍDEO)
    Irã anuncia desenvolvimento de novo míssil de cruzeiro de longo alcance
    Tags:
    Força Aérea dos EUA, EUA, DARPA, Lockheed Martin, míssil, defesa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar