14:19 27 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0 72
    Nos siga no

    Com constantes manobras da Marinha norte-americana, os EUA demonstram o comprometimento com o mar do Sul da China em meio a disputas territoriais na região.

    A região é uma das maiores rotas de navegação do comércio global, além de conter diversas áreas essenciais para atividades de pesca e ser uma zona rica em recursos naturais.

    A Marinha dos Estados Unidos afirmou que o porta-aviões Ronald Reagan e seu grupo de ataque adentrou o mar do Sul da China no começo de agosto e, desde então, estão realizando operações aéreas, informa o portal Defense News.

    Pequim sistematicamente se opõe à presença norte-americana na região, especialmente quando identifica mais de um grupo de ataque, como ocorre em operações conjuntas com outros países.

    Porta-aviões USS Enterprise atracado na base naval americana de Norfolk
    © AP Photo / Steve Helber
    Porta-aviões USS Enterprise atracado na base naval americana de Norfolk

    O grupo de ataque do porta-aviões Ronald Reagan inclui o cruzeiro de mísseis teleguiados USS Antietam e os destróieres USS Mustin e USS Rafael Peralta.

    Conforme comunicado da Marinha, citado pelo portal, o comandante das operações afirma que o destacamento "conduziu operações de batalha com aeronaves de asas fixas e rotativas, exercícios e operações de estabilidade marítima de alto nível".

    "As operações no mar do Sul da China continuam demonstrando o persistente comprometimento dos EUA com seus aliados e parceiros, e uma atitude de cooperação para a estabilidade regional e liberdade dos mares", continua o comunicado.

    Mais:

    Fardo da independência: Coreia do Sul precisaria de porta-aviões 'americano'?
    Pequim inicia exercícios navais com 'munições poderosas' perto do mar do Sul da China
    Irã transporta maquete de porta-aviões dos EUA até o estreito de Ormuz (FOTOS)
    Tags:
    Porta-aviões Ronald Reagan, China, Manobras, porta-aviões, defesa, Marinha dos EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar