09:17 30 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    6197
    Nos siga no

    Washington tenta intensificar seu jogo de dissuasão contra Pequim, entretanto, até o momento, teve pouco sucesso na investida.

    Os EUA estão considerando o lançamento de mísseis de médio alcance nos países asiáticos, incluindo o Japão, segundo enviado especial de Donald Trump para o controle de armas.

    Marshall Billingslea afirmou ao Nikkei Asian Review que os EUA planejam se envolver nas negociações com "parceiros e aliados" na região da Ásia-Pacífico para combater a chamada "ameaça imediata" do arsenal nuclear chinês, ressaltando que Washington segue desenvolvendo armas hipersônicas, que poderiam ser implantadas na Ásia.

    Míssil SM-3 Block IIA é lançado do complexo Aegis Ashore (foto de arquivo)
    © Foto / Domínio público/ Marinha dos EUA
    Míssil SM-3 Block IIA é lançado do complexo Aegis Ashore (foto de arquivo)

    Os EUA abandonaram definitivamente o Tratado INF sobre a eliminação dos mísseis balísticos e de cruzeiro nucleares ou convencionais de alcance intermediário em agosto de 2019. Em apenas três semanas após o abandono do tratado, os EUA realizaram um teste com mísseis que estavam proibidos pelo documento, o que significa que desenvolveram esse armamento ainda durante a vigência do tratado.

    Com isso, Pequim tem se recusado a se comprometer com qualquer acordo deste tipo com os EUA, considerando que Washington pode não reduzir seu arsenal nuclear.

    Embora alguns aliados tenham supostamente concordado com a ideia, como é o caso do Japão, Austrália e Coreia do Sul se recusaram a ceder locais para implantação de mísseis dos EUA.

    Mais:

    Militares dos EUA estariam testando míssil hipersônico para Força Espacial
    Teste final de míssil de longo alcance dos EUA mostra 'desempenho sem falhas'
    Trump diz que EUA desenvolvem míssil hipersônico 17 vezes mais rápido do que os atuais
    Tags:
    EUA, China, míssil teleguiado, míssil de cruzeiro, míssil balístico, míssil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar