17:01 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    18996
    Nos siga no

    A China tem intenção de interromper o fornecimento de recursos, incluindo metais de terras raras, necessários para as atividades de produção da corporação norte-americana Lockheed Martin.

    Caso as sanções sejam impostas à empresa norte-americana, isso poderia causar a estagnação da produção da indústria aeronáutica dos EUA.

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Zhao Lijian, afirmou que a China decidiu impor sanções à Lockheed Martin devido ao acordo entre Washington e Taiwan, que inclui a manutenção de mísseis antiaéreos PAC-3, fabricados pela empresa.

    Com as sanções impostas, o país asiático restringiria o fornecimento de matérias-primas, como metais, não metais e minerais.

    Além disso, outros fabricantes e projetistas de sistemas também podem ser impedidos de negociar com a Lockheed Martin, como parte das sanções.

    De acordo com o Global Times, diversos projetos serão atingidos pelas sanções, incluindo os importantes caças F-35 e os mísseis Patriot. A China ocupa 80% do mercado de importações de terras raras norte-americano.

    As autoridades chinesas pretendem romper todos os laços comerciais com a Lockheed Martin, excluindo completamente a corporação da cadeia de fornecimento, informa o Global Times.

    Esta não é a primeira vez que os chineses sancionam os produtores de armas norte-americanos envolvidos na venda de armas para Taiwan.

    Em 2019, o Ministérios das Relações Exteriores da China afirmou que sancionaria as empresas norte-americanas que participassem de vendas de armas para Taiwan.

    Mais:

    Senadores exigem que Pentágono pare de comprar peças para caça F-35 fabricadas na Turquia
    FOTOS mostram encontro de gerações entre caças MiG-17 e F-35
    Substituição dos F-35 dos EUA? Japão inicia desenvolvimento de caça de última geração
    Tags:
    F-35, avião de assalto, avião de combate, avião de ataque, EUA, Lockheed-Martin, sanções, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar